Cardeal Rylko: «Cristãos devem libertar-se do complexo de inferioridade»

Denuncia a existência de um «novo anti-cristianismo», também no Ocidente

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 14 de novembro de 2008 (ZENIT.org).- «Para os cristãos, chegou o momento de libertar-se do falso complexo de inferioridade para com o chamado mundo leigo, para poderem ser valentes testemunhas de Cristo.» Assim afirmou ontem o cardeal Stanislaw Rylko, presidente do Conselho Pontifício para os Leigos, durante a abertura da XXIII Assembléia Plenária deste dicastério, no Vaticano, com o título «Vinte anos após a Christifideles laicimemória, desenvolvimento, novos desafios e tarefas», informa L’Osservatore Romano em sua edição desta sexta-feira.

O purpurado analisou a situação atual das sociedades ocidentais, caracterizadas pela «ditadura do relativismo», e denunciou a aparição de um «novo anti-cristianismo» que «faz passar por politicamente correto atacar os cristãos, e em particular os católicos». 

Hoje, advertiu, «quem quer viver e atuar segundo o Evangelho de Cristo deve pagar um preço, inclusive nas sumamente liberais sociedades ocidentais». «Está ganhando espaço a pretensão de criar um homem novo completamente desarraigado da tradição judaico-cristã, uma nova ordem mundial», acrescentou. 

O problema, explicou o cardeal Rylko, não é «o de ser uma minoria, mas o de ter-nos transformado em marginais, irrelevantes, por falta de valor, para que nos deixem em paz, por mediocridade». 

Este momento, explicou, é a «hora dos leigos», de sua «responsabilidade nos diversos âmbitos da vida pública, desde a política à promoção da vida e da família, do trabalho à economia, da educação à formação dos jovens». 

Esta intuição do Concílio Vaticano II foi desenvolvida, explicou o purpurado, pela exortação apostólica Christifideles laici de João Paulo II, «um verdadeiro vademécum para toda a Igreja». 

Neste sentido, o cardeal Angelo Scola, que interveio a seguir, assinalou que o conceito de laicidade marca «uma nova etapa no diálogo com o mundo contemporâneo», e defendeu neste ponto o necessário testemunho dos cristãos na política. 

Veja tambem  Meios de comunicação: vantagem ou perigo para vida consagrada?

«Os leigos – explicou – estão chamados a procurar, pouco a pouco, uma justa ordem social. É uma tarefa intensa a que os espera, tanto na vida pessoal como comunitária, que supõe assumir de forma valente e criativa seu dever evangelizador.»




Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

O "Paganismo" da Igreja Católica

Próximo

O Papa pede a cristãos não esconder seus dons sob “manto de preconceitos”

  1. Valdelene

    Parabéns ao Cardeal Stanislaw Rylko por nos fazer perceber que temos um "falso complexo de inferioridade".
    É verdadeiro. Devemos como católicos nos soltar destas amarras que nos prendem totalmente. Que possamos mexer o olhar e nos libertar com ajuda de Deus Pai Criador que não nos fez para sentir vergonha d´Ele, mas poder expandir seus ensinamentos a partir de nossas casas seguindo orientações de nossos padres para uma melhor condução como católicos firmes na fé.
    Que o Divino Espírito Santo nos conduza com Jesus que é Caminho, Verdade e Vida!

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén