Aqueles que pressionam pela ordenação de mulheres ao sacerdócio “cumprem os elementos da heresia” e efetivamente incorrem em excomunhão automática (ipso facto), disse o cardeal Walter Brandmüller.

Em 2018, o cardeal Brandmüller, que é um dos quatro cardeais “dubia”, criticou duramente Annegret Kramp-Karrenbauer, secretária-geral do partido governista da CDU na Alemanha, depois que ela pediu que a Igreja Católica ordenasse mulheres sacerdotisas.

Kramp-Karrenbauer, que é amplamente considerada a vanguarda para suceder Angela Merkel como chanceler alemã, disse em uma entrevista ao Die Zeit: “É muito claro: as mulheres têm que assumir posições de liderança na Igreja”.

Ela acrescentou que gostaria de ver padres do sexo feminino, mas por enquanto a Igreja deve se concentrar em “um objetivo mais realista, o diaconato feminino”.

No entanto, o cardeal Brandmüller disse que a idéia de ordenação feminina foi definitivamente descartada por São João Paulo II e, portanto, qualquer um que insista em promover a idéia “deixou a fundação da fé católica” e “preenche os elementos da heresia que tem, como conseqüência, a exclusão da Igreja – excomunhão ”.

O cardeal acrescentou que a Igreja não é uma “instituição humana”, mas vive de acordo com as “formas, estruturas e leis que lhe foram dadas pelo seu Divino Fundador, sobre o qual nenhum homem tem poder [mudar] – também não papa e não conselho.”

Ele disse que era “surpreendente” que certos temas heterodoxos absurdos estavam sendo mantidos vivos dentro da Igreja alemã. Eles são “sempre os mesmos: sacerdócio feminino, fim do celibato, intercomunhão, novo casamento após o divórcio. Recentemente, foi acrescentado o infeliz ‘sim’ dos bispos alemãs à homossexualidade, mesmo a Igreja condenando veementemente”.


Livros recomendados

Do Céu para VocêSuma Teológica – Vol. 150 Dias com o Espírito Santo






Comentários no Facebook:

comments