Alegria, marca do cristão, diz cardeal

SALVADOR, segunda-feira, 18 de maio de 2009 (ZENIT.org).- O novo estilo de vida do cristão relacionar-se com o próximo, baseado no pedido de Jesus de “permanecer no meu amor”, tem um “efeito imprevisto”: a alegria.

É o que afirma o arcebispo de Salvador (Brasil), cardeal Geraldo Agnelo, em artigo enviado hoje a Zenit.

Trata-se, segundo o cardeal, de uma “alegria festiva”, “própria do domingo de Páscoa”.

Dom Geraldo cita que esse modo festivo de viver a amizade com Deus “o compreendeu bem o escritor moderno Chesterton, um convertido, que escreveu: ‘A alegria é o gigantesco segredo do cristão’”.

“Se somos sempre tristes, cheios de bronca, brutalhões, podemos suspeitar que talvez não sejamos verdadeiros cristãos.”

O arcebispo afirma que São João “refletiu durante toda a sua vida sobre estas verdades. Na sua primeira carta, “nos propõe a mais profunda de suas intuições. Ele chega a dar de Deus uma nova definição, plenamente em harmonia com o que Jesus havia revelado: ‘Deus é amor’. Definição simples, mas de extrema profundidade”.

“Os filósofos antigos imaginavam Deus um ente perfeito, abstrato, todo razão, causa eficiente do mundo, origem de todas as coisas. Também os estudiosos de hoje, se crêem, olham as galáxias e as moléculas e são levados a pensar em Deus como um engenheiro, um arquiteto.”

Mas –prossegue o cardeal– “Deus-Pai é revelação de Cristo. Deus-amor é a intuição de João, o discípulo que Jesus amava”.

“No centro de tudo está Deus, Pai que nos ama e espera de nós resposta de amor. É fundamental. Diz João: ‘Quem não ama permanece na morte’”. O arcebispo cita ainda S. João da Cruz, que diz: ‘Ao  entardecer da vida seremos julgados sobre o amor’.

Veja tambem  Primaz anglicano: Visita do Papa a Reino Unido foi um êxito




Livros Recomendados

Histórias Infantis Educativas – 15 Lições Para Ajudar na Orientação dos FilhosAprender a Rezar para Aprender a AmarTratado da Consciência Ou Do Conhecimento De Si Mesmo

Apoia-se: Seja um apoiador da Bíblia Católica Online.

Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

Papa em Nazaré destaca que sociedade necessita da família

Próximo

Papa convida jovens a serem missionários do mundo digital

  1. jose

    Certo! A Alegria marca o cristão. Dito de outro modo: Um santo triste é um triste santo. Isto vem a propósito dos cânticos na celebração eucarística do Cristo-Rei: mais pareciam os discípulos de Jeremias do que católicos celebrando a alegria dos 50 anos. É abusar da fé das pessoas e fazer missionação negativa pôr cântigos daqueles numa cerimónia com aquela grandesa e aquela repercussão, transmitida para todo o mundo. É preciso mais cuidado e mais consideração com a generalidade das pessoas ao preparar-se um acontecimento desta dimensão. Também é preciso dar uma imagem mais real, mais positiva e mais alegre da igreja, da vida religiosa e do culto religioso.

  2. Essa mensagem eu precisava ler!!

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén