aaaaa

Naqueles dias, o Senhor disse a Abrão: «Deixa a tua terra, a tua família e a casa de teu pai e vai para a terra que Eu te indicar.

Farei de ti uma grande nação e te abençoarei; engrandecerei o teu nome e serás uma bênção.

Abençoarei a quem te abençoar, amaldiçoarei a quem te amaldiçoar; por ti serão abençoadas todas as nações da terra».

Abrão partiu, como o Senhor lhe tinha ordenado, e levou consigo Lot. Abrão tinha setenta e cinco anos quando saiu de Harã.

Abrão partiu, como o Senhor lhe tinha ordenado.

Tomou consigo Sarai sua esposa, seu sobrinho Lot, todos os bens que possuía e os servos que reunira em Harã, e partiram em direção à terra de Canaã. Tendo chegado à terra de Canaã,
Abrão atravessou o país até ao lugar de Siquém, até ao Carvalho de Moré. Os cananeus viviam então naquela terra.

O Senhor apareceu a Abrão e disse-lhe: «Darei esta terra à tua descendência». E Abrão ergueu ali um altar ao Senhor, que lhe tinha aparecido.

Subindo dali até ao monte situado ao oriente de Betel, armou lá a sua tenda, entre Betel ao ocidente e Hai ao oriente, ergueu um altar ao Senhor e invocou o seu nome.

Depois foi prosseguindo de acampamento em acampamento, até chegar ao Negueb.



Feliz a nação que tem o Senhor por seu Deus,
o povo que Ele escolheu para sua herança.

Do Céu o Senhor contempla
e observa todos os homens.

Os olhos do Senhor estão voltados para os que O temem,
para os que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas
e os alimentar no tempo da fome.

A nossa alma espera o Senhor: Ele é o nosso amparo e protetor.

Venha sobre nós a vossa bondade, porque em Vós esperamos, Senhor



Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não julgueis e não sereis julgados.

Segundo o julgamento que fizerdes sereis julgados, segundo a medida com que medirdes vos será medido.

Porque olhas o argueiro que o teu irmão tem na vista e não reparas na trave que está na tua?
Como poderás dizer a teu irmão: ‘Deixa-me tirar o argueiro que tens na vista’, enquanto a trave está na tua?
Hipócrita, tira primeiro a trave da tua vista e então verás bem para tirar o argueiro da vista do teu irmão».



Quando um homem se humilha por causa dos seus defeitos, acalma os outros facilmente e satisfaz sem custo os que consigo se iravam.

Deus protege e liberta o humilde, ama-o e consola-o.

Inclina-Se para ele e dá-lhe grande graça; e, depois do seu abatimento, eleva-o à glória.

Revela os seus segredos ao humilde, arrasta-o e convida-o docemente para Si.

E ele, mesmo na confusão, vive em paz, porque se firma em Deus e não no mundo. […]

Mantém-te tu em paz; e só então poderás pacificar os outros.

O homem pacífico é mais útil do que o muito instruído.

O apaixonado, porém, converte o bem em mal e acredita facilmente neste.

O homem bom e pacífico converte todas as coisas em bem.

Aquele que está verdadeiramente em paz não suspeita mal de ninguém.

Mas o que é descontente e inquieto é agitado por várias suspeitas.

Nem descansa, nem deixa descansar os outros.

Diz muitas vezes o que não devia dizer e omite fazer o que devia.

Preocupa-se com o que os outros têm de fazer, mas desleixa o que lhe compete.

Tem, antes de tudo, cuidado contigo, e poderás então zelar pelo teu próximo.



“O medo excessivo nos faz agir sem amor, mas a confiança excessiva não nos deixa considerar o perigo que vamos enfrentar”. São Padre Pio de Pietrelcina