Francisco recebeu responsáveis de 129 países na luta contra o narcotráfico

abr-papa-francisco-brasil-drogas

Cidade do Vaticano, 20 jun 2014 (Ecclesia) – O Papa Francisco manifestou-se hoje contra a legalização das chamadas “drogas leves”, afirmando que o problema da toxicodependência exige outro tipo de soluções.

“Gostaria de dizer com muita clareza: a droga não se vence com a droga! A droga é um mal, e com o mal não pode haver relaxamento ou cedência. Pensar em reduzir os danos ao permitir o uso de psicofármacos às pessoas que continuam a usar droga, não resolve de facto o problema”, declarou, perante os participantes na reunião anual dos responsáveis das agências antidroga mundiais.

Francisco considerou “pelo menos questionável” a legalização de drogas leves, “mesmo de modo parcial”, e disse que esta decisão “não produz os efeitos que foram pré-fixados”.

“O flagelo das drogas continua a fazer estragos em formas e dimensões impressionantes, alimentado por um mercado vergonhoso que atravessa as fronteiras nacionais e continentais. Desta forma, continua a crescer o perigo para os jovens e adolescentes”, alertou.

Francisco falava perante os participantes da 31ª edição da ‘International Drug Enforcement Conference’ (IDEC), que este ano se realizou em Roma entre terça e quinta-feira.

O tema do encontro foi ‘O desmantelamento das estruturas financeiras do narcotráfico’, congregando 500 delegados de 129 países.

O Papa manifestou-se ainda contra o uso de drogas de substituição, considerando que as mesmas são uma “forma velada” de rendição.

“Quero reafirmar o que já disse noutra ocasião [audiência geral de 7 de maio de 2014]: não a qualquer tipo de droga. Simplesmente, não a qualquer tipo de droga”, afirmou.

“Oportunidades de trabalho, educação, desporto, vida saudável: este é o caminho da prevenção da droga. Se forem realizados estes ‘sim’, não há lugar para a droga, para o abuso de álcool, para as outras dependências”, prosseguiu.

Francisco elogiou o papel da Igreja Católica, que “não abandonou os que caíram na espiral da droga”.




Comentários no Facebook:

comments