NOVA YORK, segunda-feira, 5 de junho de 2006 (ZENIT.org).- Vinte e nove estudantes dos Estados Unidos e do Canadá participaram do primeiro seminário sobre o magistério social e moral da Igreja, oferecido pela Fundação «Path to Peace», cujo presidente é o arcebispo Celestino Migliore, observador permanente da Santa Sé ante as Nações Unidas.

O curso, que aconteceu de 21 a 26 de maio, tinha por tema «A doutrina social católica no espírito de João Paulo II: aprender a criar um mundo justo».

Entre os conferencistas encontrava-se a professora de Direito da Universidade de Harvard, Mary Ann Glendon, presidenta da Academia Pontifícia das Ciências; o escritor George Weigel, assim como embaixadores e oficiais das Nações Unidas.

Havia estudantes em representação da Universidade de San Diego, da Universidade Fairfield, da Universidade St. Thomas, da Universidade St. John?s, da Universidade St. Bonaventure, do College of St. Mary, do St. Peter?s College, da Universidade Loyola e da Universidade Fordham.

Os estudantes puderam descobrir a diplomacia da Santa Sé, que se baseia na doutrina social da Igreja, enfrentando questões como «Pobreza e desenvolvimento social», «Paz e segurança mundial», «Direitos humanos e impacto global», «Comunidades cristãs, manutenção e construção da paz», «Tráfico de mulheres», «Terrorismo e drogas».

Os universitários puderam também visitar os lugares nos quais acontece a ação da missão da Santa Sé nas Nações Unidas, fazendo um tour na sede dessa instituição.

Segundo explicou Dom Migliore aos microfones da «Rádio Vaticano», «a idéia surgiu precisamente porque se vê que em muitas universidades, também nos Estados Unidos, está nascendo um interesse pelo ensinamento social da Igreja, que põe a pessoa humana no centro. Parecia importante começar precisamente pelos estudantes e dar-lhes uma introdução no lugar no qual se trata de aplicar esta doutrina social da Igreja».

Veja tambem  Jesus é o único Mediador e Salvador

O prelado considera que nestes momentos, no Palácio de Vidro da ONU, se dá um maior interesse pela doutrina social católica, pois «em todos os campos existe a convicção de que faz falta uma ética que esteja por trás das demais lógicas».

«Todo argumento tem sua lógica particular, mas com freqüência falta a ética. Desde este ponto de vista, muitos estão felizes de escutar a palavra da Santa Sé», reconhece.

O prelado informa que os jovens se interessaram particularmente por descobrir «que uma pessoa com ?clergyman?, ou seja, com uniforme religioso, pode fazer parte plenamente da comunidade diplomática internacional».

No seminário descobriram que a «natureza, a dimensão de sua diplomacia é, antes de tudo, de caráter religioso, moral, ético, pois se ocupa sobretudo da paz», explicou o arcebispo.

«Tem uma natureza universal que está além das fronteiras, que se ocupa dos povos, das populações, das pessoas e que tem uma natureza humanitária», acrescenta.

Em particular, assinala, os jovens descobriram que «nossa diplomacia utiliza métodos que adotam longas veredas, as da convicção, as da palavra, as do testemunho».




Comentários no Facebook:

comments