Por ocasião da quaresma

KAMPALA, sexta-feira, 26 de fevereiro de 2009 (ZENIT.org).- Cristãos de todas as confissões da Uganda se uniram para dedicar o jejum e a oração quaresmais ao fim da prática do sacrifício humano, especialmente de crianças, segundo informa a agência católica africana CISA. A campanha de oração começou na Quarta-Feira de Cinzas e durará até a Semana Santa.

A proposta partiu do arcebispo anglicano Henri Orombi, representante da confissão majoritária do país, que em uma carta publicada pelo jornal Monitor, advertia que o aumento destes macabros rituais está semeando o terror.

O último caso, que comoveu o país, aconteceu há poucos dias, com o descobrimento do cadáver de uma menor brutalmente mutilada, no distrito de Kibaale.

«Há um grito em nossa terra – afirma o arcebispo Orombi. Este grito é tão forte, que as Igrejas – independentemente de sua denominação – declararam conjuntamente uma campanha nacional contra o mal da bruxaria e dos sacrifícios humanos.»

Os cristãos, agrega o prelado, condenam «fortemente e de forma inequívoca esta prática depravada, que não só profana a santidade da vida humana, mas que revela também o grau de degeneração ao qual nossa sociedade está chegando pela avareza, pelo ateísmo e pela corrupção moral».

O prelado faz um convite aos fiéis de todas as Igrejas do país ao arrependimento da falta de moral que «precipitou a maldade do sacrifício humano, que os que praticam a bruxaria ou equivocadamente confiam nela utilizam para atrair riquezas rapidamente».

«O sacrifício humano é mau e demoníaco. Trata-se claramente de um problema espiritual, que precisa de uma solução espiritual. Os demônios que exigem o sangue do inocente de nossa terra devem ser silenciados, expulsos e destruídos, para que nosso querido país fique limpo e curado deste mal», conclui.

Veja tambem  Religiosas abandonam anglicanismo para entrar na Igreja Católica



Comentários no Facebook:

comments