Tag: perdoar

A Igreja tem como modelo a Virgem Maria, diz Papa Francisco

Vídeo: na catequese desta quarta-feira, o Papa Francisco explicou como a maternidade da Igreja se relaciona com a de Maria

A maternidade da Igreja foi o tema da catequese desta quarta-feira, 3 de setembro. O Papa Francisco levou os fiéis a compreenderem quão profunda é a relação que une Maria à Igreja.

1. A Igreja tem como modelo a Virgem Maria. A maternidade da Igreja coloca-se em continuidade com a de Maria. Na fecundidade do Espírito, a Igreja continua a gerar novos filhos em Cristo. Olhando Maria, descobrimos o lindo rosto e tenro da Igreja; olhando a Igreja, reconhecemos as características sublimes de Maria.

2. A Igreja é nossa mãe porque nos deu à luz no Batismo. E como mãe nos faz crescer na fé e nos indica, com a força da Palavra de Deus, o caminho de salvação. Todos somos chamados a acolher com mente e coração aberto a Palavra de Deus, que a Igreja a cada dia nos dá, porque esta Palavra tem a capacidade de nos mudar dentro, de nos transformar.

3. Esta é a Igreja: uma mãe que tem no coração o bem dos filhos. Confiemo-nos a Maria, para que nos ensine a ter o mesmo espírito materno nas relações com nossos irmãos, com a capacidade sincera de acolher, perdoar e infundir confiança e esperança.

Ao fim da catequese, quando o Papa deu as boas-vindas aos peregrinos de língua árabe, disse: “vocês estão no coração da Igreja; a Igreja sofre com vocês e se orgulha de vocês; vocês são a força e otestemunho concreto e autêntico de sua mensagem de salvação, de perdão e de amor. Que Deus os abençoe e proteja”.

Fonte: Aleteia

Parábola do credor incompasivo

Então Pedro se aproximou dele e disse: Senhor, quantas vezes devo perdoar a meu irmão, quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?

Respondeu Jesus: Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.

Por isso, o Reino dos céus é comparado a um rei que quis ajustar contas com seus servos.

Quando começou a ajustá-las, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos.

Como ele não tinha com que pagar, seu senhor ordenou que fosse vendido, ele, sua mulher, seus filhos e todos os seus bens para pagar a dívida.

Este servo, então, prostrou-se por terra diante dele e suplicava-lhe: Dá-me um prazo, e eu te pagarei tudo!

Cheio de compaixão, o senhor o deixou ir embora e perdoou-lhe a dívida.

Apenas saiu dali, encontrou um de seus companheiros de serviço que lhe devia cem denários. Agarrou-o na garganta e quase o estrangulou, dizendo: Paga o que me deves!

O outro caiu-lhe aos pés e pediu-lhe: Dá-me um prazo e eu te pagarei!

Mas, sem nada querer ouvir, este homem o fez lançar na prisão, até que tivesse pago sua dívida.

Vendo isto, os outros servos, profundamente tristes, vieram contar a seu senhor o que se tinha passado.

Então o senhor o chamou e lhe disse: Servo mau, eu te perdoei toda a dívida porque me suplicaste.

Não devias também tu compadecer-te de teu companheiro de serviço, como eu tive piedade de ti?

E o senhor, encolerizado, entregou-o aos algozes, até que pagasse toda a sua dívida.

Assim vos tratará meu Pai celeste, se cada um de vós não perdoar a seu irmão, de todo seu coração.

Dupla vítima de aborto: "consegui me perdoar graças à fé"

MADRI, 16 Mar. 07 (ACI) .- Uma artista italiana, ex-atéia, narrou ao semanário Alba à dramática história de sua vida: Sobreviveu às tentativas de aborto de sua mãe, aos 20 anos de idade abortou seu próprio filho, superou a mais profunda depressão e hoje ajuda a outras mulheres vítimas do aborto com a convicção de que só a fé ajuda a sanar as feridas desta praga.

Edi Liccioli vive em Murcia mas nasceu e cresceu em Florência, Itália, no seio de uma família atéia. Ainda muito jovem, sua mãe –que padecia de severas depressões- contou-lhe que tentou abortá-la várias vezes com os métodos da época, banhos quentes, paus de ferro, etc.

“Algumas mulheres descobrem a maternidade quando nasce a criança e se tornam leoas protetoras; a minha mãe não passou”, recorda Edi e sustenta que “de algum jeito fui mal educada percebendo a maternidade como uma ameaça, um mal, uma condenação”.

Em sua adolescência esteve a ponto de ligar as trombas. “Fui a uma clínica para ligar as trombas, mas felizmente me questionaram e me disseram que pensasse melhor nisso”, relatou Alba.

Em 1983, aos 20 anos de idade, acabou grávida de seu noivo de 21 anos e decidiram abortar seu bebê. “Era uma catástrofe; acabavam-se os estudos, as possibilidades de trabalho, tudo; nem nos expomos ter a nosso filho“, sustenta Edi e assegura que contou com o apoio de sua mãe.

“Fui ao hospital de Florência; ali ninguém me disse nada, ninguém me perguntou nada que não fora a mera praxe para abortar; ninguém me explicou as conseqüências do aborto. (…) Pensei que tinha tirado um problema de cima de mim”, adiciona.

Entretanto, alguns meses depois começou a dor. “Fechei-me em meu quarto, chorava muito, lia e pensei seriamente em suicidar-me; tinha uma depressão profunda”, relata Edi e narra que sofria de pesadelos pelas noites e incapacidade para ver bebês, sobreviveu, diz, por amor a sua profissão, a arte.

Mudou-se para Murcia com seu atual marido e ficou grávida de novo. “Então é quando tomei consciência de tudo, dava-me conta de onde estava meu problema“, recorda.

“Havia perdoado meu pai, minha mãe, meu marido e até meu filho, mas eu não tinha me perdoado; consegui me perdoar graças à fé”, sustenta e assegura que por isso se revolve quando escuta que o sentimento de culpa é próprio de fiéis. “Algumas tratam de evitá-lo, como mecanismo de defesa. Mas eu não era fiel e tive sentimento de culpa; e o mesmo acontece com todas minhas amigas que abortaram e não são fiéis”, sustenta.

Agora, Edi proclama que o aborto não é uma opção digna para as mulheres. “Há que informar corretamente; eu quero dar utilidade ao sofrimento tão enorme que tive; como em outros problemas graves que podem afetar uma pessoa: nada melhor que um que já passou por isso para entendê-lo e acompanhar; eu quero fazer o mesmo”.

Edi colabora há um ano e meio com a Associação de Vítimas do Aborto (AVA) ajudando a outras mulheres que se encontrem em uma situação de risco.

Semana Santa no Vaticano recupera a celebração da penitência

Com confissão e absolvição individual

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 11 de abril de 2006 (ZENIT.org).- Na tarde desta terça-feira reviveu-se no Vaticano o antigo costume da celebração da Penitência, por ocasião da Semana Santa, que aconteceu segundo o rito para a reconciliação comunitária, com confissão e absolvição individual.

Em nome de Bento XVI, no ato na basílica de São Pedro, o cardeal James Francis Stafford, penitenciário maior, em sua homilia explicou que «a escuridão do pecado não poderá suprimir nunca a luz da misericórdia divina».

O purpurado norte-americano reconheceu que esta é a resposta para as muitas pessoas que hoje se perguntam se é possível perdoar, sobretudo quando se trata de crimes malvados, como a violência contra as crianças ou os assassinatos em massa de inocentes.

Segundo havia explicado o arcebispo Piero Marini, mestre de celebrações litúrgicas pontifícias, tratava-se de um rito que era tradicional em Roma na Quinta-Feira Santa até o Renascimento.

Após a sóbria procissão em silêncio e a oração ante o Crucifixo, a celebração continuou com a Liturgia da Palavra e a homilia do cardeal Stafford.

Em seguida aconteceu o «Rito da reconciliação», com a fórmula da confissão geral dos pecados, seguida por algumas invocações de perdão e o Pai Nosso.

Ato seguido se deu a confissão e absolvição sacramental individual, para a qual se puseram à disposição 60 confessores que administraram o sacramento em 26 idiomas.

Durante esse longo tempo, os fiéis cantavam salmos e invocações de perdão.

O ato concluiu com uma breve exortação do cardeal Stafford a cumprir obras boas, com a ação de graças e a benção.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén