Tag: LGBT

shutterstock_208633492_810_500_55_s_c1

Ativista gay afirma: É claro que nosso objetivo é “doutrinar as crianças na agenda LGBT”

Um ativista homossexual revelou que os materiais e políticas com temática gay inseridos à força nas escolas de ensino fundamental em toda a América do Norte visam a “doutrinar” as crianças a fim de que aceitem incondicionalmente o homossexualismo.

TORONTO, 13 DE MARÇO DE 2015 – “Estou aqui para dizer-lhes: Todo esse tempo eu vinha dizendo que não estava doutrinando ninguém com minhas crenças a respeito dos gays, lésbicas, bissexuais, transexuais equeer? Aquilo era mentira”, escreve o ativista gay canadense S. Bear Bergman em um artigo publicado no Huffington Post há uma semana, cujo título é revelador: ‘Eu vim para doutrinar suas crianças em minha agenda LGBT (e não estou nem um pouco arrependido).’

Bergman, diretor de uma editora com sede em Toronto, que faz livros infantis nos quais retrata indivíduos “LGBT” de maneira positiva, é o parceiro transgênero de J. Wallace, consultor para assuntos de equidade de gênero do Conselho Escolar do Distrito de Toronto (Toronto District School Board – TDSB).

Bergman escreve que, quando era um jovem ativista, muitas vezes tinha a “deliciosa fantasia” de que, quando criança, eram-lhe dados os mentores pró-LGBT, workshops e recursos a que as crianças de hoje têm acesso gratuito nas escolas.

“[Em minha fantasia], eu era levado zelosa e delicadamente para o mundo queer por homossexuais e transgêneros (em minha imaginação, eles eram como versões fabulosíssimas dos monitores de acampamento prediletos de minha infância). Eu poderia levar minha jaqueta de couro e meus bótons de protesto, meus preservativos e algum tipo de linha direta para a qual ligar se houver necessidade.”

Bergman conta que, quando era um jovem ativista, ensinaram-lhe como refutar acusações de que o movimento estaria “doutrinando e recrutando.” Ele deveria dizer aos pais preocupados que estava apenas “dando um ponto de vista alternativo.” Deveria usar uma linguagem “leve” ao falar sobre homossexualismo.

Mas Bergman escreve que está cansado da “mentira.”

“Em todos esses 25 anos de carreira como ativista LGBT – desde a primeira vez, aos 16 anos, quando, ofegante e tremendo, falei a uma dúzia de pessoas sobre minha história – estive em uma campanha consistente de tentar mudar o que as pessoas pensavam a respeito de nós. Eu quero torná-las como nós. Esse é de fato meu objetivo… mesmo que isso vá contra a maneira como você interpreta os ensinamentos de sua religião.”

“Quero estar presente em suas paisagens emocionais como um ótimo pai e escritor que é casado com outro cara. Que é uma (espécie de) garota. Que é amigo, alegre e  nem um pouco assustador,  apesar do que os outros dizem.”

“Esta é nossa tarefa: encorajar as pessoas, especialmente as crianças, a pensar de maneira diferente sobre um assunto”, continua. “Desconstruir o miasma lúgubre e sombrio de mitos e estereótipos e permitir, ao invés disso, que a luz da verdade e da beleza brilhem.

Esse é o negócio, meus amigos. E se nós o fizemos – se nós chegamos a um lugar em que uma criança esteve lutando num lamaçal de ignorância e ódio e a ajudamos, purificamos e a pusemos para brincar em um ambiente de amor ou ao menos de amabilidade – então, baby, nós fizemos muito bem.”

Ao pintar um retrato “amigável e alegre” do estilo de vida gay, Bergman deixa de mencionar os sérios riscos à saúde ligados às relações homossexuais. Incluem-se aí altos índices de doenças sexualmente transmissíveis, infecções bacterianas e virais, depressão e até mesmo câncer.

Uma pesquisa feita em 2002 pelo Dr. John R. Diggs apontou que as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo expõem gays, lésbicas e bissexuais a “riscos extremos de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), danos físicos, transtornos mentais e até mesmo a um encurtamento da vida útil.” Práticas sexuais comuns entre homens gays acabam por levar a “numerosas DSTs e danos físicos, alguns dos quais praticamente inexistem na população heterossexual.” Homens gays e bissexuais chegam a “perder até 20 anos de expectativa de vida.”

Os Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) já alertaram diversas vezes que os índices de HIV, já em proporções epidêmicas, continuam aumentando constantemente entre homens que fazem “sexo” com outros homens. O CDC afirmou que homens gays e bissexuais continuam no epicentro do que eles chamam de “epidemia de HIV/AIDS.”

Bergman também deixa de falar sobre o estrago espiritual que religiões em todo o mundo afirmam ser causado pela atividade homossexual. O Cristianismo, o Islamismo e o Judaísmo rejeitam categórica e vigorosamente as práticas homossexuais, considerando-as uma rejeição direta a Deus e a Seu plano para a sexualidade humana.

Cristianismo – “Por essa razão, Deus os entregou a paixões vergonhosas. Suas mulheres trocaram as relações naturais por relações contra a natureza. Os homens, de maneira similar, deixaram as relações naturais com as mulheres e arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens atos vergonhosos e recebendo em seus próprios corpos a paga devida por seu erro.” (Romanos 1, 26)

Islamismo – “(…) Pois, ao aproximar-vos licensiosamente de homens ao invés de fazê-lo a mulheres, sois um povo transgressor. (…) E fizemos chover sobre eles uma tempestade (de enxofre).” (O Corão 7, 80-84)

Judaísmo – “Não te deitarás com um homem, como se fosse mulher; isso é uma abominação.” (Levítico 18, 22)

A Igreja Católica chama os atos homossexuais de “intrinsecamente desordenados”, uma vez que “fecham o ato sexual ao dom da vida.”

Apesar das acusações de ‘homofobia’, a Igreja Católica ensina, na verdade, que as pessoas que lutam contra uma atração por pessoas do mesmo sexo “devem ser aceitas com respeito, compaixão e sensibilidade. Deve-se evitar qualquer sorte de discriminação injusta para com eles deve.”

Bergman não é o primeiro ativista homossexual a admitir que o movimento tem como objetivo “doutrinar” crianças, inculcando-lhes sua visão de mundo.

Em 2011, o ativista gay norte-americano Daniel Villareal escreveu uma coluna para o Queerty.com afirmando que já era hora de o lobby homossexual admitir que “doutrinava” crianças em idade escolar a aceitar o homossexualismo.

“Por que nós promoveríamos programas anti-bullying ou aulas de estudos sociais que ensinam as crianças sobre as contribuições históricas dequeers famosos se não quiséssemos educar deliberadamente as crianças para aceitarem a sexualidade queer como normal?”

“Queremos que os educadores ensinem as futuras gerações de crianças a aceitar a sexualidade queer. De fato, nosso futuro depende disso. Se estamos recrutando crianças? Pode apostar que sim,” acrescentou.

“Eu certamente quero que milhares de crianças em idade escolar aprendam que está tudo bem em ser gay, que se deveria permitir o casamento legal entre pessoas do mesmo sexo e que qualquer um pode beijar alguém do mesmo sexo sem se sentir uma aberração. Eu eu adoraria que muitos desses jovens garotos crescessem e começassem a f**** outros homens.”

Em setembro de 2014, a editora de Bergman ofereceu gratuitamente um “livro para crianças trans-positivas” às bibliotecas do Conselho Escolar do Distrito de Toronto. Ele disse que estava combatendo a “cultura do medo” do membro do conselho administrativo das escolas públicas Sam Sotiropoulos, que se posicionou contra o ativismo homossexual no conselho escolar.

A lista de livros para crianças de Bergman e Wallace com o fim de “quebrar estereótipos de gênero” tem 54 títulos, dentre eles:

– Garotas serão garotos serão garotas

– Às vezes a colher foge com outra colher

– A princesa amazona

– Uma menina chamada Dan

– Tudo bem ser diferente

– 10.000 vestidos

– Meu garoto princesa

– Minha mamãe é um menino

– Quando Kathy é Keith

Bergman conclui seu artigo para o Huffington Post declarando que “ficaria satisfeitíssimo” se conseguisse convencer crianças a discordarem de seus pais no que diz respeito à homossexualidade.

“Quero que as crianças saibam [que não há nada de errado conosco e que muitas vezes somos de fato excelentes] ainda que a interpretação que seus pais ou a comunidade fazem de seus princípios religiosos apresente-nos como terríveis. Eu ficaria feliz – satisfeitíssimo, diria que até exultante – em fazer com que aquelas crianças discordassem de suas famílias no que diz respeito às pessoas LGBT.”

“Se isso faz de mim um doutrinador, tudo bem. Para ser sincero, eu não me arrependo nem um pouco.”

Gays têm direito a ser heterossexuais outra vez, diz Richard Cohen

Richard Cohen e sua família (foto El Tiempo) WASHINGTON DC, 10 Jan. 12 / 06:47 pm (ACI/EWTN Noticias)

O autor do livro “Compreender e sanar a homossexualidade” e ex-gay, Richard Cohen, pediu que se respeite o direito das pessoas que depois de anos vivendo como homossexuais decidiram retornar à heterossexualidade, e deixar de lado os ataques e a intolerância.

Cohen se referiu aos ataques que o grupo LGBT lançou na Espanha contra a editorial Libros Libres por publicar uma nova versão da obra.
“Acredito que este é um assunto de direitos humanos sobre liberdade de expressão. Reitero que os gays e as lésbicas que são felizes têm direito a viver as suas vidas. Esperaria que eles respeitassem os direitos de outros que desejam explorar uma saída para homossexualismo. Pratiquemos tolerância, diversidade e igualdade para todos”, expressou o autor em uma entrevista publicada pelo jornal colombiano El Tiempo no dia 8 de janeiro.

Na entrevista, Cohen –casado e com três filhos–, recordou que “de acordo com a Associação de Psicólogos Americanos, as pessoas não necessariamente nascem com atração para o mesmo sexo”.

“Ninguém nasce essencialmente com sentimentos homossexuais e ninguém tampouco escolhe sentir atração para o mesmo sexo. Há muitas razões para sentir esta atração (…). Nunca é uma coisa só. Influi a criação dos pais, ou a percepção que tem o filho dessa criação. Sob a atração para o mesmo sexo há dois fatores primários: traumas não resolvidos do passado e uma necessidade legítima de amor proveniente do mesmo gênero”, afirmou.

Depois de assinalar que respeita a comunidade homossexual, Cohen indicou que para que uma pessoa possa “resolver seu homossexualismo não desejado e completar seu sonho de ser heterossexual”, deve estar “realmente interessado em mudar”.

“Quando alguém identifica e resolve as dores do passado e experimenta amor de uma maneira saudável e não sexual com pessoas do mesmo gênero, então de maneira natural começam a emergir desejos heterossexuais. Isto eu experimentei em carne própria e vi como milhares transformaram suas vidas com o programa”, assegurou.

“Vivi essa vida e me dava conta de que não era para mim. Não foi fácil. Muitos me disseram: ‘Você nasceu gay’, mas sabia que isso não era certo”, afirmou.

Cohen disse que agora vive plenamente sua vida heterossexual e não se sente atraído por outros homens. “Converti-me em terapeuta para ajudar a outros como eu. Para que saibam que há esperança, que é possível, que se eu pude, eles também podem”, afirmou.

Nesse sentido, assegurou que das pessoas que vão à Fundação Internacional para a Sanação 85 por cento saem curados.

“Mas isto só funciona se a pessoa o deseja. Levamos 21 anos nisto e já temos escritórios no México”.

Católicos podem manifestar-se contra o desrespeito à fé realizado na parada gay em São Paulo

SÃO PAULO, 30 Jun. 11 / 07:25 pm (ACI)

Um grupo de leigos católicos no Brasil defendeu o direito que lhes corresponde para protestar contra as ofensas e o vilipêndio de imagens e símbolos sagrados por parte de homossexuais na última parada gay em São Paulo, pois atentou contra o Artigo 208 do Código Penal Brasileiro que considera um crime vilipendiar publicamente um ato ou objeto de culto religioso.

Segundo os editores do site, “o que houve na Avenida Paulista durante a “Parada LGBT” foi um ataque, um deboche e vilipêndio do ensinamento moral da Igreja, que considera – sendo fiel à Revelação – os atos homossexuais intrinsecamente maus”.

O evento, explicam os organizadores da página votocatólico, teve como tema um versículo do Evangelho de São João manipulado – “Amai-vos uns aos outros: basta de homofobia!” – colocou 170 cartazes em postes ao longo da avenida Paulista, com modelos masculinos representando santos católicos como se fossem homossexuais, seminus e em posturas eróticas, ao lado das mensagens: “Nem santo te protege” e “Use camisinha”.

Para o Doutor Valmor Bolan, perito em Sociologia e conselheiro da Organização Universitária Interamericana (OUI-IOHE ) no Brasil e membro da Comissão Ministerial do Prouni (CONAP), “O fato mais chocante da parada gay deste ano, foi a forma como se apropriaram de uma frase (fora de contexto) do Evangelho, para insinuar que o amor proposto por Jesus seria também gay. E ainda mais usando imagens sagradas de santos católicos para ainda fazer as pessoas concluírem que tais santos eram  gays. Tudo isso pode se resumir numa palavra pouco mencionada hoje em dia, mas tratou-se de um sacrilégio”.

Depois de afirmar que o fato foi uma clara provocação e um desrespeito à Igreja e às práticas religiosas milhões de brasileiros, considerando estas manifestações como “um ataque, deboche e vilipêndio do ensinamento moral da Igreja, os organizadores da iniciativa laical votocatólico recordam que o artigo 208 do código pena considera como crime “escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso. Pena – detenção de um mês a um ano, ou multa”.

“O fato se torna ainda mais grave pelo fato de a Parada receber financiamento público, especialmente dos Ministérios da Cultura e da Saúde, da Petrobrás, da Caixa Econômica Federal e da Prefeitura de São Paulo. Consideramos que se este episódio passar despercebido, outros mais graves virão”, denunciaram.

Assim, o site católico lança o seguinte convite:
“Se você sentiu-se ofendido e agredido na sua fé com os cartazes desrespeitosos à fé católica na “Parada LGBT”, convidamos a queixar-se com as entidades governamentais que financiaram o evento (clique aqui), manifestar sua inconformidade com as empresas patrocinadoras do evento (clique aqui) e entrar em contato com as procuradorias regionais dos direitos dos cidadãos (clique aqui).

Para ver o artigo completo do Dr. Valmor Bolan e manifestar-se contra o desrespeito à fé ocorrido na parada gay, visite:
http://www.votocatolico.com.br/

 

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén