Tag: jornal espanhol

Possesso pelo qual o Papa Francisco rezou, conta a sua história: 10 exorcistas e anos de sofrimento

Possesso pelo qual o Papa Francisco rezou, conta a sua história: 10 exorcistas e anos de sofrimento

ROMA, domingo, 28 de maio. 13 / 12:19 (ACI / EWTN Notícias) -. Angel, 43 anos de idade, mexicano no qual o Papa Francisco realizou uma “oração de libertação” após a conclusão da missa de Pentecostes, na Praça de São Pedro, em 19 de Maio, contou sua história e revelou que há mais de dez anos, ele foi possuído por quatro demônios e que em um sonho levou-o a viajar para Roma para encontrar o Papa.

Em entrevista publicada pelo jornal espanhol El Mundo, Angel lembrou que tudo começou em 1999, “um dia retornando em um ônibus da Cidade do México para minha cidade natal em Michoacan, senti que uma energia que entrou no ônibus. Não vi, mas perceptível”.

“Percebi que se aproximou de mim e parou na minha frente. E, de repente, eu me senti como se alguém tivesse me esfaqueado no peito e depois, pouco a pouco, a sensação de que eles estavam me abrindo às costelas”, disse.

Inicialmente, Angel pensou que era um ataque cardíaco, mas não morreu e seu estado de saúde agravou-se, porque “tudo o que eu comia vomitava. Havia picadas por todo o meu corpo, como se fosse cheio de agulhas”.

“Até as folhas me machucavam. Comecei a não me sentir capaz de andar”, lembrou.

Logo começaram os transes em que proferiram blasfêmias e falavam em línguas sem médicos que o assistissem para explicar o que estava acontecendo.

Sua saúde tornou-se delicada “no total já me deram quatro vezes a Unção dos Enfermos”, diz ele.

Esse sacramento trouxe uma melhoria na sua saúde, por isso que Angel começou a orar, com uma especial devoção ao Senhor da Misericórdia.

Em 2004, Angel assistiu a uma palestra de um padre ucraniano na cidade mexicana de Morelia, que explicou o seu caso.

“Eu disse a ele o que estava acontecendo comigo, como me senti mal. Ele me colocou no peito uma relíquia do Padre Pio e então eu vi uma luz especial que me rodeava, senti uma grande paz. Mas, ao mesmo tempo, notei algo que começando a me arranhar dentro de mim. Isso é algo que me derrubou e começou a se manifestar. Vi que eu não podia fazer nada, que a presença era mais forte do que eu, me dominada “, disse ele.

Naquele dia, ficou claro que ele estava possuído e praticou seu primeiro exorcismo.

Sabendo que ele estava possuído, confessou Angel, “me deu muito medo. E eu me senti muito sujo em pensar que dentro de mim havia um ser maléfico”.

“A minha família reagiu primeiro com incredulidade e, de fato, entre meus irmãos, há alguns que ainda estão céticos que acreditam que o que eu tenho é o resultado de um desequilíbrio psicológico”.

Angel expressou sua proximidade com as pessoas ao redor do mundo passando por algo semelhante e ele “se sente incompreendido por sua família, amigos e às vezes até pela própria Igreja, porque nem todas as dioceses tem exorcistas”.

“Além disso, porque há padres que não acreditam em possessão demoníaca, eles consideram que são problemas psiquiátricos. Há muitos que acabam em asilos e morrem sem saber o que aconteceu”, lamentou.

Inicialmente, um sacerdote na Cidade do México realizou quatro ou cinco exorcismos, durante um dos quais “o padre perguntou como o demônio tinha entrado em mim e ele disse que era por causa de uma maldição que me fez uma pessoa”.

Eventualmente, aconselhou-o a recorrer ao famoso exorcista padre espanhol José Antonio Fortea, que em uma viagem para o México, há três anos, eu conheci e tinha avisado ele.

Angel tem uma licenciatura em Marketing pela Universidade de Guadalajara (México), e teve sua própria empresa de publicidade, que teve que fechar, porque “a minha saúde não me deixava trabalhar”.

“A fim de sustentar a minha família eu tive que vender a minha casa e um apartamento que tínhamos. Agora moro em uma casa que a minha mãe nos deu. Felizmente, eu não estou em dificuldades financeiras, com a venda das duas casas dá para viver”, disse ele.

No entanto, Angel anseia por “uma vida normal. Especialmente para minha esposa e meus filhos, com idades entre seis e onze anos. Felizmente os meus dois filhos nunca me viram possesso. Mas eles sabem que eu estou doente”, disse em meio a lágrimas.

Mas, recentemente, Angel teve um sonho que daria uma grande mudança no seu caso e que o seu testemunho acabaria por chegar a todo o mundo.

“Eu vi o Santo Padre Francisco vestindo vermelho e orando com um incensário na mão e rodeado por bispos e cardeais. Não dei importância, mas quando acordei, liguei a TV e vi uma missa do Papa, vestindo vermelho e com um incensário na mão, rodeado de bispos e cardeais e passou pela minha cabeça uma ideia: eu tenho que ir a Roma “, disse.

“Por esse tempo, ele lembrou, estava lendo o livro “O Último Exorcista”, o famoso exorcista da diocese de Roma (Itália), Gabriele Amorth”, que afirma que tanto a Bento XVI e João Paulo II havia realizado exorcismos e orações libertadora para possuído”.

Angel não hesitou o suficiente em viajar para Roma, porque “era muito ruim, eu tinha medo de morrer longe dos meus filhos, minha família.”

No final, com Juan Rivas, um sacerdote mexicano Legionários de Cristo, a quem conheceu há dois anos viajaram para Roma.

“Depois de tentar três vezes saudar o papa, sem sucesso”, Domingo de Pentecostes “a providência divina lhe ajudou e finalmente conseguiu encontrá-lo e recebeu dele uma oração”, disse o padre Rivas.

O dia depois da oração do Papa em Angel, padre Amorth viu e disse que “não há dúvida de que ele está possuído”.

Em entrevista à ACI DIGITAL em 22 de maio, o padre disse que naquele dia “o Papa veio e deu-lhe uma forma de oração de exorcismo e de libertação, e não o exorcismo clássico que é feito com o livro.”

O mexicano, Amorth disse, “é realmente uma alma de Deus, que o Senhor usa para censurar o México em relação à legalização do aborto”.

Traduzido por Tiago Rodrigo da Silva – Apostolado Spiritus Paraclitus

Depois da JMJ, Vargas Llosa admite que o ocidente precisa do catolicismo

MADRI, 30 Ago. 11 / 01:41 pm (ACI/EWTN Noticias)

Em sua habitual coluna no jornal espanhol El Pais, o ganhador do prêmio Nobel de Literatura, Mario Vargas Llosa, assinalou este domingo que o êxito da recente Jornada Mundial da Juventude em Madrid fez evidente que ocidente necessita do catolicismo para subsistir.

Em seu artigo chamado “A festa e a cruzada”, Vargas Llosa, que se declara agnóstico e é um constante caluniador dos ensinos da Igreja, elogia o espetáculo de Madrid “invadido por centenas de milhares de jovens procedentes dos cinco continentes para assistir à Jornada Mundial da Juventude que presidiu Bento XVI“.

No texto recolhido também em sua edição de hoje pelo jornal vaticano L’Osservatore Romano, Vargas Llosa, nascido no Peru mas de nacionalidade espanhola, afirma que a JMJ foi “uma gigantesca festa de moças e rapazes adolescentes, estudantes, jovens profissionais vindos de todos os lados do mundo a cantar, dançar, rezar e proclamar sua adesão à Igreja Católica e seu ‘vício’ ao Papa”.

“As pequenas manifestações de leigos, anarquistas, ateus e católicos insubmissos contra o Papa provocaram incidentes menores, embora alguns grotescos, como o grupo de energúmenos visto jogando camisinhas em umas meninas que… rezavam o terço com os olhos fechados”.

Segundo Vargas Llosa existem “duas leituras possíveis deste acontecimento”: uma que vê na JMJ “um festival mais de superfície que de entranha religiosa”; e outra que a interpreta como “a prova de que a Igreja de Cristo mantém sua pujança e sua vitalidade”.

Depois de mencionar as estatísticas que assinalam que apenas 51 por cento de jovens espanhóis se confessam católicos, mas só 12 por cento pratica sua religião, Vargas Llosa diz que “desde meu ponto de vista este paulatino declínio do número de fiéis da Igreja Católica, em vez de ser um sintoma de sua inevitável ruína e extinção é, aliás, fermento da vitalidade e energia que o que fica dela –dezenas de milhões de pessoas– veio mostrando, sobre tudo sob os pontificados de João Paulo II e Bento XVI”.

“Em todo caso, prescindindo do contexto teológico, atendendo unicamente a sua dimensão social e política, a verdade é que, embora perca fiéis e encolha, o catolicismo está hoje em dia mais unido, ativo e beligerante que nos anos em que parecia prestes a rasgar-se e dividir-se pelas lutas ideológicas internas”.

Vargas Llosa se pergunta se isto é bom ou mau para o secularismo ocidental; e responde que “enquanto o Estado seja laico e mantenha sua independência frente a todas as igrejas”, “é bom, porque uma sociedade democrática não pode combater eficazmente os seus inimigos –começando pela corrupção– se suas instituições não estiverem firmemente respaldadas por valores éticos, se uma rica vida espiritual não florescer em seu seio como um antídoto permanente às forças destrutivas”.

“Em nosso tempo”, segue Vargas Llosa, a cultura “não pôde substituir à religião nem poderá fazê-lo, salvo para pequenas minorias, marginais ao grande público”; porque “por mais que tantos muito brilhantes intelectuais tentem nos convencer de que o ateísmo é a única conseqüência lógica e racional do conhecimento e da experiência acumuladas pela história da civilização, a idéia da extinção definitiva seguirá sendo intolerável para o ser humano comum, que seguirá encontrando na fé aquela esperança de uma sobrevivência além da morte à qual nunca pôde renunciar”.

“Crentes e não crentes devemos nos alegrarmos pelo ocorrido em Madrid nestes dias em que Deus parecia existir, o catolicismo ser a religião única e verdadeira, e todos como bons meninos partíamos de mãos dadas ao Santo Padre para o reino dos céus”, conclui.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén