Tag: coração (Página 1 de 11)

“Não tenham medo” de dar testemunho de Deus nas redes sociais, pede bispo mexicano

ROMA, 05 Nov. 14 / 12:21 pm (ACI/EWTN Noticias).- Na conferência “Redes Sociais e Formação Religiosa”, celebrada na Pontifícia Universidade Lateranense de Roma em 30 de outubro, o Secretário dos Seminários da Congregação para o Clero, Dom Jorge Patrón Wong, convidou os fiéis a compartilharem “sem medo” a experiência da vida cristã nas redes sociais.

Em uma entrevista concedida ao Grupo ACI o Prelado mexicano convidou os fiéis a estarem presentes nas redes sociais e compartilharem “o que fazemos todos os dias”.

“A vida do cristão é uma vida de trabalho, de oração, de alegria, também de tristeza, de vida, de seguimento de Jesus, é preciso transmitir e viver isso também nas redes sociais, não ter medo!”, animou.

Dom Patrón, que é muito ativo no seu perfil do Twitter, explica que a experiência de proximidade com Jesus precisa ser comunicada por todos os meios, e recorda que as redes sociais devem refletir o testemunho e a vida interior de cada um. “O interior e o exterior devem estar totalmente relacionados, assim como a vida divina e a vida humana de Jesus estiveram totalmente relacionadas em uma palavra que se chama amor. Sempre transmitimos e vivemos o amor de Deus”, disse.

Dom Patrón Wong recorda que a vida de um cristão é uma experiência pessoal com Jesus e “devemos comunicar essa experiência como sempre o fizemos, através das palavras, dos gestos, da arte, e hoje Deus nos pede fazê-lo através dos meios digitais: através do Facebook, do Twitter, e de todo o mundo da internet”, assinalou.

Dom Patrón Wong, nomeado recentemente pelo Papa Francisco como novo consultor da Congregação para a Evangelização dos Povos, afirmou que é preciso formar o coração dos seminaristas para que se assemelhe o máximo possível ao de Cristo.

“Se o nosso coração for o coração de Deus, tenha a segurança de que poderemos usar muito bem os meios de comunicação. Mas se o nosso coração está sujo, está cheio de rancor, de ódio, de traumas, de feridas, evidentemente isso não vai acontecer. Então, o que necessitamos, é que Jesus entre no nosso coração e do amor a Jesus, da presença do amor de Deus, ter toda a liberdade que dá para comunicarmos e vivermos o Evangelho”, concluiu.

Senti sua presença ao meu lado…

Diante do sacrário, comecei a rezar o Pai-Nosso e senti Jesus me dizendo: “Espere: vamos fazer isso juntos”

Jesus é tão real para mim quanto você que lê estas linhas. É uma presença que não se pode explicar com palavras. Você precisa vivenciar. Ele é maravilhoso, único!

Uma vez o visitei em um sacrário próximo da minha casa e algo especial aconteceu. Você não imagina o entusiasmo que sinto ao visitá-lo. Ele é meu melhor amigo desde que eu era criança. Nunca tive outro amigo como Ele.

Fui vê-lo para acompanhá-lo por um tempo. Tinha muita coisa para contar-lhe. É interessante: ainda que eu tenha certeza de que Ele sabe o que lhe contarei, que conhece meus passos e minha vida, mesmo assim fico feliz em contar-lhe tudo, compartilhar minha vida com Ele.

Gosto de me sentar na frente do sacrário e dizer-lhe: “Jesus, eu te amo, você é tudo para mim”. Gosto de pensar como um amigo certa vez me disse: “No meu coração há um selo, e esse selo diz: ‘Jesus’”.

Naquela vez, eu olhei para Ele e lhe disse: “Por que você não sai desse sacrário e se senta aqui comigo?”. Não havia passado nem um segundo e eu já pude sentir sua presença, ao meu lado. Uma alegria inexplicável inundou minha alma. Naquela capela fechada, uma leve brisa me envolveu. Era como se Jesus me abraçasse.

Fechei os olhos para vê-lo com os olhos da alma e Ele estava ali, sentado ao meu lado, com sua túnica branca, brilhante como o mais puro sol, com um brilho espetacular, belíssimo. Ele me abraçou com força e sorriu. Lembro que eu lhe disse: “Obrigado, Jesus, por ser meu amigo”. E senti que Ele respondia: “Obrigado, Claudio, por ser meu amigo”.

Ele é o maior acontecimento da minha vida. Adoro que seja meu amigo. É um grande amigo. Ele deu tudo por mim. E por você. Ele se emociona quando você se confessa, quando pensa nele, quando diz que o ama. Sorri com entusiasmo quando você o visita no sacrário.

Eu o imagino como uma criança que espera os convidados da sua festa de aniversário. Passam as horas, ninguém chega, ele se inquieta e se entristece: “Será que virão me ver?”, pergunta-se, olhando pela janela.

E, de repente, a prota se abre… e é você. Ele pula de felicidade. Começa a chamá-lo pelo seu nome, com o coração batendo forte no peito. “Você veio me ver, obrigado! Eu estava tão sozinho aqui, esperando sua visita.”

Faz uma semana que me confessei. O bom padre me deu como penitência rezar um Pai-Nosso. Eu quis acompanhar Jesus e rezar na frente do sacrário. E o que aconteceu foi incrível.

Senti que Jesus se sentava ao meu lado, muito contente, emocionado, e me abraçava, feliz. “Parabéns! Você dá trabalho, Claudio, mas finalmente conseguiu!”. E nós dois sorrimos.

Comecei a rezar o Pai-Nosso e senti que Ele me dizia: “Espere, vamos fazer isso juntos”. E jutos começamos a rezar: “Pai nosso, que estais no céu…”.

Foi um momento especial, eu não esperava por isso. Éramos Jesus e eu, dois grandes amigos, juntos naquela capela, rezando uma oraçãomilenária, a que Ele nos ensinou. Só pude dizer, ao terminar: “Como você é bom, Jesus!”.

Será tudo imaginação minha? Não sei, mas foi maravilhoso. E fico contando os minutos até voltar a vê-lo e estar com Ele naquele oratório, nesse pedacinho de céu onde sou feliz.

Hoje aconteceu de novo. Senti, de repente, a necessidade de fazer uma parada e rezar. Isso já aconteceu com você? Está distraído e subitamente sente como se algo o levasse à oração.

Você não entende, mas o que você sente é mais forte. É uma voz interior que o chama pelo seu nome e lhe diz: “Venha, é hora de rezar. Há tanta necessidade de oração no mundo!”.

Eu estava pronto para tomar café da manhã. Deixei tudo para fazer algo mais importante. E sentei para rezar. “Meu Deus, como você é bom!”.

Nesse momento, senti seu abraço terno e belo. E fui invadido por uma alegria, uma paz sobrenatural, que ultrapassa meu entendimento.

Quem pode compreender estes mistérios? Eu sabia que era Ele, que estava comigo.

Ele gosta de os surpreender, de nos encher de graças. Ele está presente quando rezamos, quando enfrentamos os problemas, quando nos confessamos, quando caminhamos pelo mundo, quando nos aproximamos dos outros e rezamos juntos. Porque quando dois ou mais se reúnem em nome dele, Ele se faz presente.

Eu acho que Ele também está presente quando você reza, aparentemente sozinho, porque na verdade você não está sozinho. Seu anjo da guarda reza com você, ao seu lado, alegre e feliz por você ter acolhido o chamado de Deus.

Além disso, se você comungou, você carrega Jesus com você aonde quer que você vá. Você é um sacrário vivo. Ilumina o mundo comJesus dentro do seu coração.

Que grande mistério: ser portadores de Deus! Templos do Espírito Santo.

Hoje eu pensei: se eu pudesse escolher um lugar neste momento, um lugar para estar, qual escolheria? Escolheria estar com você, Jesus. Tantas pessoas buscam paz e, aqui, com você, a paz nos inunda.

Como sou feliz na presença de Deus! Gosto de recordar que sou seu filho amado, assim como você, que é meu irmão.

Fonte: Aleteia

Carta de Jesus para você: da minha cruz à sua solidão

Eu escrevo da minha cruz à sua solidão. A você, que tantas vezes olhou para mim sem me ver e me ouviu sem me escutar. A você, que tantas vezes prometeu me seguir de perto e, sem saber por quê, se distanciou das pegadas que lhe deixei no mundo para que você não se perdesse.

A você, que nem sempre acredita que estou ao seu lado, que me procura sem me achar e às vezes perde a esperança em me encontrar. A você, que de vez em quando pensa que eu sou apenas uma lembrança e não compreende que estou vivo.

Eu sou o começo e o fim; sou o caminho para você não se desviar, a verdade para que você não erre, e a vida para que você não morra. Meu tema favorito é o amor, que foi minha razão para viver e para morrer.

Eu fui livre até o fim; tive um ideal claro e o defendi com o meu sangue para salvar você. Fui mestre e servidor, sou sensível à amizade e há muito tempo espero pela sua.

Ninguém como eu conhece sua alma, seus pensamentos, seu proceder, e sei muito bem quão grande é o seu valor. Sei que talvez sua vida pareça pobre aos olhos do mundo, mas sei também que você tem muito para dar, e tenho certeza de que, dentro do seu coração, há um tesouro escondido: conheça-se e então você reservará um lugar para mim.

Se você soubesse quanto tempo faz que bato à porta do seu coração e não recebo resposta! Às vezes sofro quando você me ignora e me condena, como Pilatos; também sofro quando você me nega, como Pedro; e quando me trai, como Judas.

Hoje, eu lhe peço que se una à minha dor, que carregue sua pequenacruz junto à minha. Peço-lhe paciência com relação aos seus inimigos, amor ao seu cônjuge, responsabilidade com seus filhos, tolerância com os idosos, compreensão com seus irmãos, compaixão pelo que sofre, serviço com todos, assim como eu vivi e lhe ensinei.

Eu não gostaria de voltar a vê-lo egoísta, rebelde, inconformado, pessimista. Gostaria que sua vida fosse alegre, sempre jovem e cristã. Cada vez que você desanimar, procure-me e me encontrará; cada vez que você se sentir cansado, converse comigo, conte-me seus problemas.

Cada vez que você achar que não serve para nada, não se deprima, não se ache inferior, não se esqueça de que precisarei da sua pequenez para entrar na alma do seu próximo.

Cada vez que você se sentir sozinho na estrada, não se esqueça de que estou com você. Não se canse de me pedir, que eu não me cansarei de lhe dar; não se canse de me seguir, que eu não me cansarei de acompanhar você.

Nunca o deixarei sozinho.

Fonte: Aleteia

 

Papa Francisco: só belas pregações não bastam

O Papa Francisco afirmou hoje que as belas pregações só servem se vêm acompanhadas da proximidade às pessoas.

Em sua homilia na missa em Santa Marta, o Papa comentou o Evangelho do dia, que fala de Jesus que se aproxima de um cortejo fúnebre: uma viúva de Naim perdeu seu único filho.

O Senhor realiza o milagre de trazer à vida o jovem – explicou oPapa –, mas faz muito mais: ele está próximo. “Deus, dizem as pessoas, visitou o seu povo”. Quando Deus visita “há algo a mais, há algo de novo”, “quer dizer que a sua presença está especialmente ali”. Jesus está próximo.

“Estava próximo do povo. Deus está próximo e é capaz de entender o coração das pessoas, o coração do seu povo. Então o Senhor vê aquele cortejo, e se aproxima. Deus visita o seu povo, em meio a seu povo, e se aproxima. Proximidade: é o modo de Deus. Depois, há uma expressão que se repete na Bíblia, muitas vezes: ‘O Senhor, movido de grande compaixão’. A mesma compaixão que, diz o Evangelho, teve quando viu tantas pessoas como ovelhas sem pastor. Quando Deus visita o seu povo, Ele está próximo, Ele se aproxima e sente compaixão: comove-se”.

“O Senhor – continuou o Papa Francisco – ficou profundamente comovido, como tinha ficado diante do túmulo de Lázaro”. Assim como também ficou comovido o pai, “quando viu voltar para casa o filho pródigo”.

Proximidade e compaixão: assim o Senhor visita o seu povo. E quando nós queremos anunciar o Evangelho, levar adiante a Palavra de Jesus, o caminho é esse. O outro caminho é o dos mestres, dos pregadores do templo: os doutores da Lei, os escribas, os fariseus… Afastados do povo, falavam…bem: falavam bem. Ensinavam a Lei, bem. Mas afastados. E isto não era um olhar do Senhor: era outra coisa. O povo não sentia isso como uma graça, porque faltava a proximidade, faltava a compaixão, isto é, sofrer com o povo.”

“E tem outra palavra – sublinhou o Papa – que é própria de quando o Senhor visita o seu povo: ‘O morto se sentou e começou a falar, e ele – Jesus – o restituiu à sua mãe’”.

“Quando Deus visita o seu povo, restitui ao povo a esperança. Sempre. Pode-se pregar a Palavra de Deus brilhantemente: encontramos grandes pregadores na história. Mas se estes pregadores não conseguem semear a esperança, essa pregação não serve. É vaidade!”

Decálogo de Bento XVI sobre o Rosário

Em maio de 2008, o Papa Bento XVI fez recitações e meditações especiais sobre os mistérios do Rosário. De seus discursos ali nasceu um maravilhoso decálogo da oração do Terço

1. O Santo Rosário não é uma prática do passado como oração dos outros tempos da qual pensar com nostalgia. Pelo contrário, está a viver uma nova Primavera.

2. O Rosário é um dos símbolos mais eloquentes do amor que as jovens gerações têm a Jesus e a Maria, sua Mãe.

3. No mundo atual, tão dispersivo, esta oração ajuda a colocar Cristo no centro, como fazia Nossa Senhora, que meditava interiormente tudo o que se dizia do seu Filho e o que Ele fazia e dizia.

4. Quando se recita o Rosário revivem-se os momentos importantes e significativos da história da salvação; percorrem-se as diferentes etapas da missão de Cristo.

5. Com Maria se orienta o coração para o mistério de Jesus. Coloca-se Cristo no centro da nossa vida, do nosso tempo, das nossas cidades, através da meditação e da contemplação dos seus santos mistérios gozosos, luminosos, dolorosos e gloriosos.

6. Maria ajuda-nos a acolher a graça que dimana destes mistérios, a fim de que através de nós possa “irrigar” a sociedade, a partir das relações do dia-a-dia, e purificá-la de tantas forças negativas e prendê-la à novidade de Deus.

7. O Rosário, quando verdadeiramente rezado, não de modo mecânico e superficial mas profundo, origina paz e reconciliação. Contém em si o poder curativo do santíssimo Nome de Jesus, invocado com fé e com amor no centro de todas as Ave-Marias.

8. O Rosário é uma meditação bíblica que nos leva a percorrer os acontecimentos da vida do Senhor na companhia da Virgem Santíssima, conservando-os, como Ela, no nosso coração.

9. O bom costume de rezar o Rosário no mês de Maio, prossiga com maior empenho, a fim de que, na escola de Maria, a lâmpada da fé brilhe sempre mais no coração e nas famílias dos cristãos.

10. Na recitação do santo Rosário confio-vos as intenções mais urgentes do meu ministério, as necessidades da Igreja, os grandes problemas da humanidade, a paz no mundo, a unidade dos cristãos, o diálogo entre todas as culturas.

(Radio Maria)

A Igreja tem como modelo a Virgem Maria, diz Papa Francisco

Vídeo: na catequese desta quarta-feira, o Papa Francisco explicou como a maternidade da Igreja se relaciona com a de Maria

A maternidade da Igreja foi o tema da catequese desta quarta-feira, 3 de setembro. O Papa Francisco levou os fiéis a compreenderem quão profunda é a relação que une Maria à Igreja.

1. A Igreja tem como modelo a Virgem Maria. A maternidade da Igreja coloca-se em continuidade com a de Maria. Na fecundidade do Espírito, a Igreja continua a gerar novos filhos em Cristo. Olhando Maria, descobrimos o lindo rosto e tenro da Igreja; olhando a Igreja, reconhecemos as características sublimes de Maria.

2. A Igreja é nossa mãe porque nos deu à luz no Batismo. E como mãe nos faz crescer na fé e nos indica, com a força da Palavra de Deus, o caminho de salvação. Todos somos chamados a acolher com mente e coração aberto a Palavra de Deus, que a Igreja a cada dia nos dá, porque esta Palavra tem a capacidade de nos mudar dentro, de nos transformar.

3. Esta é a Igreja: uma mãe que tem no coração o bem dos filhos. Confiemo-nos a Maria, para que nos ensine a ter o mesmo espírito materno nas relações com nossos irmãos, com a capacidade sincera de acolher, perdoar e infundir confiança e esperança.

Ao fim da catequese, quando o Papa deu as boas-vindas aos peregrinos de língua árabe, disse: “vocês estão no coração da Igreja; a Igreja sofre com vocês e se orgulha de vocês; vocês são a força e otestemunho concreto e autêntico de sua mensagem de salvação, de perdão e de amor. Que Deus os abençoe e proteja”.

Fonte: Aleteia

Deus Existe – Albert Einstein

Professor: Eu vou provar pra você que se Deus existe, então ele é mal.
Professor: Deus criou tudo o que existe?
Professor: Se Deus critou todas as coisas, então ele criou o mal, o que significa que Deus é mal.
Aluno: Com licença, professor!
Aluno: O Frio existe?
Professor: Que tipo de pergunta é essa? Claro que ele existe. Você nunca ficou com frio?
Aluno: Na verdade senhor, o frio não existe. De acordo com as leis da física, o que consideramos frio é na verdade ausência de calor.
Aluno: Professor, a escuridão existe?
Professor: Claro que existe.
Aluno: Você está errado senhor, a escuridão também não existe. A escuridão é na verdade a ausência de luz.
Aluno: O mal não existe. É como a escuridão e o frio. Deus não criou o mal. O mal é o resultado do que acontece quando o homem não tem o amor de Deus presente em seu coração. (Albert Einstein – 1879-1955)

Página 1 de 11

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén