Tag: Convivência

Evangelho do domingo: a outra oportunidade

Por Dom Jesús Sanz Montes, ofm, arcebispo de Oviedo

OVIEDO, sexta-feira, 5 de março de 2010 (ZENIT.org).- Apresentamos a meditação escrita por Dom Jesús Sanz Montes, OFM, arcebispo de Oviedo, administrador apostólico de Huesca e Jaca, sobre o Evangelho deste domingo (Lucas 13, 1-9), 3º da Quaresma.

* * *

No Evangelho deste domingo, Jesus leva em consideração duas notícias da atualidade de então: um grupo de galileus, de alguma facção independentista, havia sido reprimido por Pilatos, para lição e castigo a todo aquele que ousasse atentar contra a ocupação romana. E em segundo lugar, a queda da torre de Siloé, cujo infortúnio causou a morte de 18 vítimas, que pereceram esmagadas.

Naquele então, como agora, houve muitas mortes, cujo desenlace nem sempre tem a ver com a vida que levavam normalmente. Jesus faz uma advertência: o verdadeiro risco de arruinar uma vida não está em um acidente infeliz ou em uma revolta repressiva, mas em não converter-se, isto é, em viver com o olhar e o coração distraídos, descentrados: “Se vós não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo”.

Para Jesus, fazer o papel de agitador revolucionário não supõe um motivo de diferença exemplar com relação aos demais galileus. E assumir o papel pacífico de transeunte, como ocorreu com as vítimas da torre de Siloé, tampouco torna as pessoas boas por sua neutralidade pacifista. Uns morrem na briga, outros no acidente. Todos igualmente pecadores, diz Jesus. Ele não elogia o guerrilheiro manifesto nem o pacífico cidadão anônimo, mas exalta quem dirige seu coração e tudo o que cabe nele a Deus. O que realmente importa para Jesus não é o que se faz ou se deixa de fazer, mas em nome de quem e por qual motivo.

Jesus propõe uma parábola que enche de misericórdia seu convite à conversão. Diante da desproporção entre a vida a que somos chamados e a realidade nossa de cada dia, podemos ver-nos refletidos nessa história que Jesus conta da figueira que não dava o fruto esperado. É a imagem da nossa lerdeza e distância do desígnio de Deus. Mas também Jesus é imagem do vinhateiro bom, com cuja paciência chegará a salvar a vida da sua vinha.

Converter-se é aceitar esse cuidado, essa espera e essa atenção. Converter-se é deixar-se levar por Outro, falar em seu Nome, continuar sua Boa Notícia, dar a vida por, com e como Ele. A conversão não é tanto protagonizar nossos gestos salvadores, e sim permitir ser visto, permitir ser conduzido e assistir ao milagre de que, na convivência misericordiosa com Ele, nossa vinha perdida pode ser salva e dar o devido fruto.

Esta é a esperança que Cristo nos anuncia e que em sua Igreja nos reserva.

Declaração histórica católico-muçulmana contra justificação da violência

Emitida por representantes vaticanos e da voz acadêmica mais prestigiosa para o mundo sunita

Por Jesús Colina

CAIRO, segunda-feira, 1º de março de 2010 (ZENIT.org).- Representantes muçulmanos e católicos do mundo assinaram uma histórica declaração comum para rejeitar a manipulação da religião com o objetivo de justificar interesses políticos, a violência ou a discriminação.

O documento recolheu as conclusões da reunião anual realizada no Cairo, nos dias 23 e 24 de fevereiro, do Comitê Permanente de Al-Azhar para o Diálogo entre as Religiões Monoteístas e o Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso da Santa Sé.

A declaração está assinada pelos presentes no encontro: o xeique Muhammad Abd al-Aziz Wasil, wakil (representante nos assuntos jurídicos) de Al-Azhar e presidente do Comitê para o Diálogo de Al-Azhar, assim como pelo cardeal Jean-Louis Tauran, presidente do Conselho vaticano.

Al-Azhar, fundada em 975, é considerada a universidade mais antiga com funcionamento ininterrupto e é vista pela maioria dos muçulmanos sunitas como a escola mais prestigiosa.

O comitê, com a ajuda de documentos apresentados por Dom Bernard Munono Muyembe e pelo professor Abdallah Mabrouk al-Naggar, analisou o tema “O fenômeno da violência confessional: compreender o fenômeno e suas causas e propor soluções, fazendo referência particular ao papel das religiões neste sentido”.

No final do encontro, os participantes concordaram em oferecer estas recomendações: “prestar maior atenção ao fato de que a manipulação da religião com objetivos políticos ou de outro caráter pode ser fonte de violência; evitar a discriminação em virtude da identidade religiosa; abrir o coração ao perdão e à reconciliação recíprocos, condições necessárias para uma convivência pacífica e fecunda”.

Muçulmanos e católicos pediram “reconhecer as semelhanças e respeitar as diferenças como requisito de uma cultura de diálogo, baseada em valores comuns; afirmar que ambas as partes se comprometem novamente no reconhecimento e no respeito da dignidade de todo ser humano, sem distinção de pertença étnica ou religiosa; opor-se à discriminação religiosa em todos os campos (leis justas deveriam garantir uma igualdade fundamental); promover ideais de justiça, solidariedade e cooperação para garantir uma vida pacífica e próspera para todos”.

O encontro bilateral concluiu com o compromisso de “opor-se com determinação a qualquer ato que tenda a criar tensões, divisões e conflitos nas sociedades; promover uma cultura do respeito e do diálogo recíprocos através da educação na família, na escola, nas igrejas e nas mesquitas, difundindo um espírito de fraternidade entre todas as pessoas e a comunidade; opor-se aos ataques contra as religiões por parte dos meios de comunicação social, particularmente nos canais de satélite, levando em consideração o efeito perigoso que estas declarações podem ter na coesão social e na paz entre as comunidades religiosas”.

Por último, católicos e muçulmanos exigiram “assegurar que a pregação dos responsáveis religiosos, assim como o ensino escolar e os livros de texto não emitam declarações ou referências a eventos históricos que, direta ou indiretamente, possam suscitar uma atitude violenta entre seguidores das diferentes religiões”.

O comitê estabeleceu que sua próxima reunião será em Roma, no dias 23 e 24 de fevereiro de 2011.

Evangelho como resposta ao socialismo do século 21

Intervenção do presidente da conferência episcopal venezuelana diante do Papa

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 8 de junho de 2009 (ZENIT.org).- O Evangelho é a única resposta que os bispos da Venezuela oferecem às tensões provocadas no país pela implantação do socialismo do século 21, garante o presidente da Conferência Episcopal.

Dom Ubaldo R. Santana Sequera FMI, arcebispo de Maracaibo, assegurou na manhã desta segunda-feira a Bento XVI, na audiência que este concedeu aos prelados do país, que os pronunciamentos do episcopado diante do projeto político do presidente Hugo Chávez se inspiraram sempre em sua missão religiosa e evangelizadora.

No encontro, realizado na Sala do Consistório do Vaticano, o representante do episcopado reconheceu que um dos serviços centrais que os bispos realizaram “foi o de iluminar a partir da fé o difícil caminho que o povo venezuelano vem percorrendo há uma década”.

“Como se sabe – esclareceu –, na Venezuela foi imposto há dez anos um novo projeto político chamado socialismo do século 21, de cunho revolucionário, que introduziu profundas modificações em todas as dimensões da vida do país, contou com ingentes ingressos provenientes do petróleo em sua implantação e causou crescentes polarizações econômicas, sociais e culturais.”

“A progressiva execução deste projeto polarizou o país e o dividiu em grupos contrapostos”, informou ao Papa o prelado venezuelano.

“Esta confrontação – prosseguiu –, que foi resolvida através de numerosos eventos eleitorais, provocou uma crescente polarização política, aumentou a violência, a insegurança e o ódio, colocando em sério risco a convivência democrática.”

“Frente a tais ameaças, e sabendo que a maioria da população é profundamente religiosa e católica, nós nos sentimos chamados, como pastores, a emitir numerosas mensagens, cartas e exortações pastorais”, esclarece o presidente da Conferência Episcopal.

“Nestes pronunciamentos, agimos com unanimidade, centramo-nos em nossa missão religiosa e evangelizadora, convocamos todos os setores ao entendimento, ao diálogo e à reconciliação, apelamos às raízes cristãs da nossa nação, recordamos tanto a governantes como a governados os princípios fundamentais da doutrina social da Igreja, defendemos os mais pobres, procuramos sempre o bem comum e a construção da convivência democrática”, disse Dom Santana Sequera.

“Não buscamos benefícios nem privilégios – sublinhou –, mas somente a glória de Deus, o bem da Igreja e a vida abundante do nosso povo.”

“O exercício deste ministério profético nos trouxe incompreensões e ataques por parte de alguns setores da sociedade e do governo, mas contamos com a luz e com a fortaleza do Espírito do Senhor Jesus para continuar dando testemunho com fidelidade e alegria.”

Em seu discurso, o Papa apoiou os bispos nesta tarefa, ao valorizar seu “empenho por irradiar a luz do Evangelho sobre os acontecimentos de maior relevância que afetam vosso país, sem outros interesses fora da difusão dos mais genuínos valores cristãos, visando também a favorecer a busca do bem comum, a convivência harmônica e a estabilidade social”.

O presidente da Conferência considerou que esta visita é muito importante para a Igreja na Venezuela, que historicamente se caracterizou por seu amor ao Papa e por sua proximidade dele, como sucessor do apóstolo Pedro.

A Igreja da Venezuela com o Papa

“A história da nossa Igreja, nestes últimos dois séculos, ensinou-nos que estreitar a comunhão e consolidar a unidade cum Petro et sub Petro (com Pedro e sob Pedro, N. da R.) são bens particularmente preciosos, já que vivemos em carne própria a ameaça por parte de governos anticlericais, de separar-nos da rocha romana, criando igrejas nacionais submetidas aos poderes em vigor no momento.”

E recordando os ataques que a mídia lançou nos meses passados, o prelado disse ao Papa: “Queremos que o senhor saiba que na Venezuela os pastores e os católicos o amamos, respeitamos e seguimos. Conte sempre com a nossa fidelidade e com as nossas orações”.

Bispo mexicano pede a deputados que não aprovem uniões homossexuais

MEXICO D.F., 03 Fev. 07 (ACI) .- O Bispo de Veracruz, Dom. Luis Felipe Gallardo Martín del Campo, exortou aos deputados locais para não aprovarem uma Lei de Convivência para o estado de Veracruz, porque no fundo fazer isso é legalizar as uniões homossexuais e as equiparar ao matrimônio.

Recentemente o grupo Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros anunciou a elaboração de uma iniciativa de Lei de Convivência que se apóia nas aprovadas no Distrito Federal e na Coahuila, para que seja apresentada e aprovada pelo Parlamento local, o que contaria com o apoio do deputado Miguel Rodríguez Cruz (PRI).

Em declarações à imprensa, Dom Galhardo recordou que a Igreja defende a condição e natureza humana e o valor da família fundamentada no matrimônio entre um homem e uma mulher.

“O grande problema é querer igualar com a condição familiar de matrimônio tudo isto que pudesse ser simplesmente convênios, contratos de reciprocidade e apoio mútuo sem a necessidade de chamá-lo família, matrimônio, bodas e, por conseguinte querer dar os mesmos direitos que tem o matrimônio heterossexual”, explicou.

Nesse sentido, assinalou que “todo mundo pode associar-se para fins honestos, é um direito constitucional. O reprovável do ponto de vista, não só católico, mas também antropológico, básico e fundamental, é estar acima da natureza humana que todos compartilhamos”.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén