Apresenta a Virgem Maria como sinal para um mundo que vive como se Deus não existisse

CASTEL GANDOLFO, quarta-feira, 16 de agosto de 2006 (ZENIT.org).- Só Deus pode saciar a sede de verdade e de felicidade dos homens e mulheres de hoje, que em certas ocasiões dão a impressão de viver como se Ele não existisse, afirmou Bento XVI nesta quarta-feira.

Na audiência geral que concedeu a vários milhares de peregrinos nesta quarta-feira, no pátio da residência pontifícia de Castel Gandolfo, o pontífice sintetizou nesta constatação a mensagem que lança ao mundo a solenidade da Assunção da Virgem Maria, celebrada pela liturgia no dia anterior.

Como ele mesmo reconheceu, trata-se de uma festa «muito querida pelo povo cristão, desde os primeiros séculos do cristianismo», que celebra «a glorificação inclusive corporal dessa criatura à que Deus escolheu como sua Mãe e que Jesus na Cruz entregou como Mãe a toda a humanidade».

Citando o Concílio Vaticano II, o Papa explicou que «a Assunção evoca um mistério» que afeta todos os crentes: «Maria antecede o Povo de Deus peregrino com sua luz, como sinal de esperança e de consolo».

«Estamos tão submergidos nas vicissitudes de todos os dias que às vezes nos esquecemos desta consoladora realidade espiritual, que constitui uma importante verdade de fé», reconheceu o bispo de Roma.

«Como é possível fazer que este sinal luminoso de esperança seja percebido cada vez mais pela sociedade atual?», perguntou.

«Hoje há quem vive como se nunca devesse morrer ou como se tudo acabasse com a morte — continuou dizendo; alguns se comportam considerando o homem como o único artífice de seu destino, como se Deus não existisse, chegando a negar, em certas ocasiões, que haja espaço para Ele em nosso mundo.»

Veja tambem  Papa quer que peregrinação a Roma seja encontro com Jesus

«Só a abertura ao mistério de Deus, que é Amor — assegurou –, pode saciar a sede de verdade e de felicidade de nosso coração, só a perspectiva da eternidade pode dar autêntico valor aos acontecimentos históricos e, sobretudo, ao mistério da fragilidade humana, do sofrimento e da morte.»

Deste modo, disse, a modo de conclusão, a contemplação de Maria no céu ajuda a compreender que «a terra não é nossa pátria definitiva e que, se vivemos constantemente orientados para os bens eternos, um dia compartilharemos sua própria glória».

«Por este motivo, apesar das milhares de dificuldades cotidianas, não temos que perder a serenidade nem a paz — explicou. O sinal luminoso da Assunção ao céu resplandece ainda mais quando parece que no horizonte aparecem sombras tristes de dor e de violência.»

«Estamos seguros – concluiu: desde o alto, Maria segue nossos passos com doce trepidação, nos dá serenidade na hora da escuridão e da tempestade, nos dá segurança com sua mão maternal. Apoiados nesta convicção, continuamos com confiança nosso caminho de compromisso cristão lá onde Providência nos conduz.»




Comentários no Facebook:

comments