Dom Juan José Asenjo

SEVILHA, 27 Set. 13 / 11:07 am (ACI/Europa Press).- O Arcebispo de Sevilha (Espanha), Dom Juan José Asenjo, mostrou-se convencido de que a Igrejanão sofrerá um “giro copernicano” com o trabalho de Francisco, assegurando que “quem espera decisões radicais em matéria de dogma ou moral se sentirá frustrado”.

“É necessário ser moderados e prudentes, porque pode acontecer que os que agora entoam os ‘hosanas’ do Domingo de Ramos daqui a uns meses gritem crucifiquem-no e vamos pelo caminho da Sexta-feira Santa”, ressalta.

Em uma entrevista concedida a Onda Zero, Asenjo assegurou que não se trata de uma “questão de imagem, mas sim de fundo”, de “ressuscitar a Igreja diante do mundo, muito mais simples e próxima ao povo e aos pobres, imitadora de Jesus Cristo que veio ao mundo para servir”.

“Algumas coisas do ouropel vão mudar”, acrescenta, depois de criticar as “elucubrações da imprensa com determinada ideologia”, assinala que as pessoas estão gostando das manifestações do Papa e que na Espanha estão “expectantes”, acrescentando que não se conseguirá nunca fazer com que um bispo se distancie do pensamento do Papa porque eles estão educados na obediência e sabem o que significa o sucessor de Pedro.

Sobre as declarações de Francisco sobre o matrimônio, o aborto e os anticoncepcionais, entre outros, Dom Asenjo interpreta que as palavras do Santo Padre se referiam à necessidade de pregar o Evangelho “íntegro”, enquanto que “quem só insiste nestes aspectos abandona outras partes nucleares do Evangelho”.

“O Papa pede pregá-lo de forma íntegra sem centrar nesses temas, que também são importantes como o respeito à vida“, insiste, assinalando que o aborto é uma “monstruosidade desde qualquer perspectiva e não cabe esperar uma mudança de linha por parte da Igreja a respeito”.

Também, assegura que não acontecerão mudanças de linha quanto aos homossexuais, alegando que são “homens e mulheres que merecem todo o respeito, mas desde a moral cristã não se pode justificar a prática homossexual”.

Sem partidos

Sobre a inclinação política de esquerda ou de direita dos membros da Igreja, Dom Asenjo opina que um Bispo ou um sacerdote deve ser “de todos, somos de Jesus Cristo”. Assim, não é partidário nem de direita nem de esquerda.

“As palavras do Papa foram tiradas de contexto, já que eram relativas ao golpe de estado da Argentina, dizendo que não estava com o golpe”, esclarece.

Além disso, manifestou que não vê “em um futuro imediato” mulheres cardeaise pede aos sacerdotes que “saiam às encruzilhadas dos caminhos, que se molhem com o mar e se sujem com o barro, sem ficar somente nas sacristias e no púlpito”.




Comentários no Facebook:

comments