Todas as vezes que rezamos a Ave Maria, saudamos Maria com aquela mesma saudação que Santa Isabel, “cheia do Espírito Santo”, saudou sua prima, “em alta voz”: “Bendita és tu entre as mulheres” (Lc 1,42).

Maria é “a filha predileta de Deus”, diz o Concílio Vaticano II (LG n. 53), “aquela que na Santa Igreja ocupa o lugar mais alto depois de Cristo e o mais perto de nós” (LG, n. 54).

O mesmo Concílio afirma que “por graça de Deus exaltada depois do Filho acima de todos os anjos e homens, como Mãe santíssima de Deus, Maria esteve presente nos mistérios de Cristo e é merecidamente honrada com culto especial pela Igreja” (LG n. 66).

São Bernardo, o apaixonado cantor da Virgem Maria, no Sermão 47 diz:

“Ave Maria, cheia de graça, porque agradável a Deus, aos anjos e aos homens. Aos homens, por causa de sua fecundidade; aos anjos, por causa de sua virgindade; a Deus, por sua humildade. Ela mesma atesta que Deus olhou para ela porque viu sua humildade” (MM, p. 29).

O Livro dos Provérbios diz: “A Sabedoria construiu para si uma Casa, nela esculpiu sete colunas” (Pr. 9,1). S. Bernardo, comentando este texto no “Sermão de Assumptione B. Mariae”, aplicou-o à Virgem Maria: Casa Virginal, sustentada por sete colunas, porque enriquecida com os sete dons do Espírito Santo: o dom da sabedoria, o da inteligência, o do conselho, o da fortaleza, o da ciência, o da piedade e o do temor de Deus” (MM, p. 69).

Se ela é aquela criatura única “cheia de graça” e da presença do Senhor – “o Senhor é contigo” -, então Maria está repleta de todos os dons e graças de Deus.

São Tomas de Aquino afirmou:

“…a bem-aventurada Virgem Maria, pelo fato de ser Mãe de Deus, tem uma espécie de dignidade infinita por causa do bem infinito que é Deus” (MM, p. 100).

E, na mesma linha, Santo Epifânio escreveu: “Com exceção de Deus, Tu és, ó Virgem, superior a todas as coisas” (idem).

Ensina Santo Afonso que “Maria é a filha primogênita do Pai Eterno”, e diz que os sagrados intérpretes e os Santos Padres aplicam-lhe este texto da Escritura: “Eu saí da boca do Altíssimo, a primogênita antes de todas as criaturas” (Eclo 24,5). Segundo o santo doutor, “Maria é a primogênita de Deus por ter sido predestinada juntamente com o Filho nos decretos divinos, antes de todas as criaturas. Ou então é a primogênita da graça como predestinada para Mãe do Redentor, depois da previsão do pecado” (GM,  p. 208).

E também diz São Bernardo à Senhora: “Antes de toda a criatura fostes destinada na mente de Deus para Mãe do Homem-Deus” (GM p. 228).

“A graça que adornou a Santíssima Virgem sobrepujou não só a de cada um em particular, mas a de todos os santos reunidos”, afirma Santo Afonso. E mais: “Não se pode pôr em dúvida que, simultaneamente com o decreto divino da Encarnação, ao Verbo de Deus foi também destinada a Mãe da qual devia tomar o ser humano. E essa foi Maria” (GM, p. 229).

Segundo ensina S. Tomas, “a cada um o Senhor dá graça proporcionada à dignidade a que o destina. A Santíssima Virgem foi escolhida para ser Mãe de Deus, e portanto o Altíssimo capacitou-a certamente com Sua graça. Antes de ser Mãe foi Maria, por conseguinte, adornada de uma santidade tão perfeita que a pôs à altura dessa dignidade” (GM, p. 230),

Entre todas as mulheres de todos os tempos e de todos os lugares. Deus escolheu Maria para ser Sua Mãe. Esta glória de Maria a fez cantar perante S. Isabel:

“Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus meu Salvador, porque olhou para sua pobre serva.

Por isso, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações, porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo…” (Lc 1,42ss).

O Magnificat é o canto de glória de Maria, por ter sido a eleita de Deus. Em sua qualidade de Mãe, tem a Virgem um certo direito singular a todos os dons de seu Filho, afirmam os santos e teólogos.

Todas as criaturas revelam Deus de algum modo, são como espelhos da divindade. Alguém já disse que “Deus não fala, mas tudo fala de Deus”. Maria é um espelho especialíssimo de Deus, diz São Tomás de Aquino. “Os outros santos”, ele diz, “são exemplos de virtudes particulares: um foi humilde, outro casto, outro misericordioso, e assim nos são oferecidos como exemplos de uma virtude. Mas a bem-aventurada Virgem é exemplo de todas as virtudes” (MM, p. 51).

Veja tambem  Primeira encíclica de João Paulo II completa 30 anos

É por isso que a Ladainha lhe chama de “Espelho de Justiça”.

Diz Santo Afonso que Nossa Senhora revelou a Santa Isabel de Turíngia quem quando era ainda menina, no Templo de Jerusalém foi consagrada a Deus: “Levantava-me à meia-noite e ia ao Templo orar ao Senhor diante do altar para que me concedesse a graça de observar os preceitos e contemplar a mãe do Redentor. Roguei-lhe que me conservasse os olhos para vê-la, a língua para louvá-la, as mãos e os pés para servi-la, e os joelhos para adorar em seu seio o Divino Filho”. Então a santa ao ouvir isto perguntou à Virgem: “Mas, Senhora, vós não éreis cheia de graça e de virtudes?” Ao que Maria respondeu: “Sabe que eu me tinha como a mais vil entre as criaturas, e a mais indigna das graças do céu. Por isso pedia continuamente a graça e as virtudes… Pensas tu que eu tenha possuído a graça e as virtudes sem fadiga? Sabe que graça alguma recebi de Deus sem grande fadiga, oração contínua, desejo ardente, e muitas lágrimas e penitências” (GM, p. 246).

Nossa Senhora revelou a Santa Brígida que desde pequenina foi cheia de Espírito Santo e, à medida que crescia em idade, aumentava também em graça. “Ciente, pela Sagrada Escritura, de que Deus devia nascer de uma virgem para salvar o mundo, abrasou-se de tal forma seu espírito no amor divino, que não pensava senão em Deus, não desejava senão a Deus e só em Deus se comprazia Sobretudo desejava alcançar a vinda do Messias, na esperança de ser a serva daquela feliz Virgem, que merecesse ser sua Mãe” (GM, p. 247).

Afirma Santo Afonso “que certamente por amor dessa excelsa menina acelerou o Redentor sua vinda ao mundo. Enquanto Maria em sua humildade não se julgava digna nem mesmo de ser a serva da Divina Mãe, foi ela mesma a eleita para essa sublime dignidade. Com a fragrância de suas virtudes e poderosas súplicas atraiu a seu seio virginal o Filho de Deus. (Como a rola que vai pelos campos, Maria sempre gemia no templo) lamentando as misérias do mundo perdido e pedindo a Deus a comum redenção.

Oh! Com afeto e fervor repetia diante de Deus as súplicas dos profetas, para que mandasse o Redentor” (GM, p. 247).

Foi por isto, afirma S. João Crisóstomo, que “Deus escolheu Maria para Sua Mãe na terra, porque aqui não achou virgem mais santa e perfeita que ela, nem lugar mais digno para Sua morada ao que seu sacrossanto seio”.

E também S. Bernardo e S. Antonio afirmam que, “para ser eleita e destinada à dignidade de Mãe de Deus, devia a Santíssima Virgem possuir uma perfeição tão grande e consumada que nela excedesse todas as outras criaturas” (GM, p. 248).

Assim como Nossa Senhora, ainda menina, apresentou-se no Templo e se ofereceu totalmente a Deus, apresentemo-nos também a ela, sem reservas, e peçamos-lhe que nos ofereça a Deus. Certamente Deus não rejeitará sua oferta, já que vem pelas mãos daquela
que foi templo vivo do Espírito Santo, as delícias de seu Senhor e a Mãe eleita do Verbo Eterno.

“Quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado” (Mt 23,12), repetiu várias vezes o Senhor. Logo que Deus determinou fazer-se homem para redimir o homem decaído e assim manifestar ao mundo sua misericórdia infinita, certamente buscava entre todas as mulheres aquela que fosse a mais santa e humilde para ser Sua Mãe. Como diz o Livro dos Cânticos: “Há um sem número de virgens (a meu serviço), mas uma só é a minha pomba, a minha eleita” (Ct 6, 8-9).

Foi por sua imensa humildade que Deus tanto exaltou Maria. E a própria Virgem e diz no seu canto: “porque olhou para a humildade de sua serva” (Lc 1,48).

Foi essa “humildade”, profunda e real, que tanto encantou o coração de Deus que fez com que a elegesse a “bendita entre as mulheres”.

Quanto mais reconhecemos nosso “nada”, mais Deus se faz “tudo” em nós.

Veja tambem  Oração de Santo Agostinho

São Bernardo assim se expressa:

“A virgindade é certamente uma virtude louvável, mas a humildade é mais necessária. Aquela é objeto de conselho; esta de preceito. Podes salvar-te sem a virgindade; não sem a humildade. Eu diria: se perderes a virgindade, a humildade que deplora essa perda, pode agradar a Deus; mas se a humildade ouso dizer que nem a virgindade de Maria teria agradado ao Senhor” (MM, p. 29).

Também Santo Alberto Magno (1206-1280), bispo e doutor da Igreja, o grande mestre de São Tomás de Aquino, comentando a palavra de Maria diz: “Ela não disse: ‘Olhou para a castidade de sua serva’, porque, como lembrou Santo Agostinho, a humildade da Virgem agradou mais a Deus que a castidade. Às vezes, com humildade, mesmo aquele que não foi casto até então, pode agradar, como aconteceu com aquela mulher que era pecadora pública na cidade (Lc 7,37ss.). Mas nunca a castidade poderá agradar sem a humildade. Por isso, as virgens insensatas, enfatuadas pelo vazio de sua soberba, desagradaram” (MM, p. 30).

Há uma frase célebre que aparece pelo menos três vezes na Bíblia:

“Deus resiste aos soberbos mas dá Sua graça aos humildes” (1Pd 5,6; Tg 4,6; Pr. 3,34).

Enquanto nosso coração não for totalmente despojado de nós mesmos, de nossa soberba e orgulho, vaidade e vanglória, auto-suficiência e arrogância, prepotência e presunção, amor próprio e reputação, desejo de aparecer e de ser elogiado, etc., Deus não terá espaço em nossa alma para fazer “Sua obra”, isto é, tornar-nos à imagem e semelhança de seu Filho (Rm 8,29) e gerá-Lo em nós como o pôde fazer em Maria.

Diz Santo Antônio que “o perfume da humildade de Maria subiu ao céu e atraiu o Verbo do seio Eterno do Pai a seu seio virginal. De modo que o Senhor, atraído pela fragrância dessa humilde virgenzinha, a escolheu para Sua Mãe. Mas, para maior glória e merecimento desta Mãe, não se quis fazer seu Filho sem o seu consentimento” (MM, p. 253).

Maria é ainda “bendita entre todas as mulheres”, porque as outras herdaram o pecado original e ela foi sempre isenta de toda a mácula.

A humildade de Maria é tal que ela se perturbou quando o anjo Gabriel a louvou com a saudação: “Ave, cheia de graça; o Senhor é convosco” (Lc 1,28). Sobre isto disse S. Bernardino de Sena:

“Houvesse um anjo declarado que ela era a maior pecadora do mundo, e não teria a Virgem se admirado tanto; mas, ouvindo aqueles louvores tão sublimes, toda se perturbou. E isso porque, sendo tão cheia de humildade, aborrecia todo elogio e desejava que apenas seu Criador, fonte e origem de todo bem, fosse louvado e bendito”. Assim também o disse Maria a Santa Brígida, falando do tempo em que foi eleita Mãe de Deus” (GM, p. 253).

E a resposta de Maria ao anjo Gabriel foi a mais bela, a mais humilde e prudente que poderia dar: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo tua palavra”.

“Poderosa, ó eficaz, augustíssima palavra!” exclama S. Tomás de Villanova. “Com um Fiat” (faça-se) criou Deus a luz, o céu, a terra, mas com este “fiat” de Maria um Deus se tornou homem como nós” (GM,  p.255).

Diz São Bernardo que “quanto mais Maria se viu exaltada tanto mais se humilhou. Ah! Senhora, por esta tão bela humildade, vós vos fizestes digna de ser olhada por Deus com amor singular; digna de enamorar nosso Rei com vossa beleza; digna de atrair, com a suave fragrância de vossa humildade, o eterno Filho, de seu repouso no seio de Deus, a vosso puríssimo ventre” (GM, p. 256).

Essa inocente Virgem tornou-se cara a Deus por sua pureza, mas por sua humildade fez-se digna, tanto quanto possível a uma criatura, de ser Mãe de seu Criador. A própria Virgem assim o disse a Santa Brígida: “Como mereci eu a graça insigne de me tornar Mãe de meu Senhor, senão porque conheci meu nada e me humilhei?” (GM,  p. 256).

A humildade de Maria foi a sua disposição mais perfeita para ser Mãe de Deus. Foi como uma escada pela qual o Senhor desceu à terra para se fazer homem em seu seio, afirmam os santos.

Enfim, diz Santo Afonso, “não pôde Maria humilhar-se mais do que se humilhou. Tendo-a feito Sua Mãe, Deus não pôde exaltá-la mais que a exaltou” (GM  p. 258). Assim, Deus a colocou em uma altura superior aos anjos e santos, dizem Santo Efrém e S. André de Creta.

Veja tambem  O Papa pede aos meios para promover a dignidade do homem, do matrimônio e da família

Só Deus é superior a Maria, todos os demais seres vivos lhe são inferiores. É tão grande, em suma, a grandeza da Virgem, conclui S. Bernardo, que “só Deus pode e sabe compreendê-la” (GM,  p. 258).

Sendo Maria Mãe de Deus, excede com isso a toda grandeza e dignidade que se possa exprimir ou imaginar depois de Deus. Nenhum de seus outros títulos: Rainha do Céu, Soberana dos Anjos, Rainha dos Apóstolos, etc., é mais honroso que o de “Mãe de Deus”.

Diz Santo Alberto Magno quer “ser Mãe de Deus é a dignidade imediata depois da dignidade de ser Deus”, pois São Tomás de Aquino ensina que “quanto mais uma coisa se avizinha ao seu princípio tanto mais de sua perfeição”.

São Pedro Damião afirma que, se Deus habita em diversos modos nas criaturas, em Maria habitou de modo especial, fazendo-se a mesma coisa com Maria” (GM, p. 259).

São Tomás ensina que, “tendo sido feita Mãe de Deus, em razão dessa união tão estreita com o Bem infinito Maria recebeu uma certa dignidade infinita”.

Afirma São Tomás de Vilanova que “os santos evangelistas calam-se sobre os louvores de Maria porque sua grandeza é indizível. Foi suficiente escrever: ‘dela nasceu Jesus, que se chama o Cristo” (MM, p. 44).

Afirmam os santos que Deus pode fazer um mundo maior, um céu mais extenso, mas não pode fazer uma criatura mais excelsa que fazendo-a Sua Mãe” (GM,  p. 260). Por isso Maria cantou bem alto: “Realizou maravilhas em mim, Aquele que é poderoso e cujo nome é Santo” (Lc 1,49).

Segundo S. Bernardino, “por amor de Maria, Deus não destruiu o homem depois do pecado de Adão” (GM, p. 261).

Afirma Santo Afonso que Maria, “mesmo na infância, desse estado teve unicamente a inocência, mas não o defeito de incapacidade. Pois desde o primeiro instante de sua vida teve o uso perfeito da razão.”

O Senhor revelou a Santa Brígida que a beleza de Sua Mãe excedeu a de todos os anjos e santos. Sua beleza afugenta os pensamentos impuros afirmam Santo Ambrósio e S. Tomás.

E concluí Santo Afonso: “Esta Divina Mãe é infinitamente inferior a Deus, mas é imensamente superior a todas as criaturas” (GM, p. 261).

Se é impossível achar um Filho mais nobre que Jesus, é impossível também encontrar uma Mãe mais nobre que Maria.

S. João Damasceno, resumindo o pensamento da Tradição, disse: “Convinha que as honras rendidas ao Filho se rendessem também à Sua Mãe” (MM, p. 42).

E para mostrar que não são apenas os anjos que veneram a Virgem Maria, mas também o Pai, o Filho e o Espírito Santo, Santo Hipólito, mártir do século III, e Santo Agostinho diziam:

“O que mandou que se honrasse o pai e a mãe, não iria deixar de honrar aquela que era Sua mãe, Sua esposa, Sua filha” (MM, p. 42).

Que todos esses argumentos substanciais, colhidos na fértil e rica Tradição da Igreja, sirvam não só para os devotos de Maria se alegrarem com suas glórias, mas também para aumentar-lhes a confiança em sua poderosíssima proteção. Pois Maria, sendo Mãe de Deus, tem um certo direito sobre seus dons, em benefício dos que servem.

Na opinião de S. Germano, “Deus não pode deixar de ouvir as súplicas de Maria, porquanto precisa reconhecê-la como Sua verdadeira e Imaculada Mãe” (GM, p. 262).

Assim, não falta a nossa Mãe nem o poder nem a vontade de nos socorrer.

Um dia Nossa Senhora disse a Santa Matilde que ninguém podia honrá-la melhor do que com a saudação da Ave-Maria. Se assim o fizermos, especialmente rezando o Terço diariamente, e até mesmo o Rosário, receberemos de Maria graças sobre graças. Na súplica de cada Ave Maria, nós lhe dizemos: “Santa Maria, Mãe de Deus…” É esta majestade que lhe dá poder de rogar por nós pecadores, agora, e na hora de nossa morte. Roguemos então a ela, que é “cheia de graça”, que nos conceda sermos, também nós, por sua intercessão, repletos da graça de Deus, em todo tempo e lugar, sem o que pereceremos.

Prof. Felipe Aquino




Comentários no Facebook:

comments