Entrevista com Angela Ales Bello, docente da Pontifícia Universidade Lateranense

Por Carmen Elena Villa

ROMA, terça-feira, 31 de março de 2009 (ZENIT.org).- Este mês se completam 30 anos da publicação da primeira encíclica de João Paulo II, Redemptor Hominis.

Neste importante documento eclesial, o Pontífice começou a exortar os católicos a que se preparassem para a celebração do jubileu do ano 2000, chamando aqueles anos precedentes de um «novo advento».

O Pontífice desenvolveu assim a cristologia proposta já em diversos textos do magistério pontifício e dos Padres da Igreja e concretizada na constituição Gaudium et spes, do Concílio Vaticano II, que assegura que o mistério do homem só pode ser esclarecido à luz do Verbo Encarnado.

O Papa mostrou assim que em Cristo, como verdadeiro Deus e verdadeiro homem, encontra-se a base da dignidade humana, da liberdade – que deve ser custodiada pela Igreja – e da defesa aos direitos humanos.

Sobre este tema, Zenit conversou com a Profa. Angela Ales Bello, docente de História da Filosofia Contemporânea na Pontifícia Universidade Lateranense.

Ela participou do congresso «30 anos após a Redemptoris Hominis: memória e profecia», que se realizou em dias passados na Pontifícia Universidade Lateranense, com sua palestra «Razões e especificidades do personalismo wojtyliano».

– Quais são as principais bases contidas no magistério pontifício para o desenvolvimento desta encíclica?

– Angela Ales Bello: Toda a tradição da Igreja Católica está detrás desta encíclica, sem dúvida. Desde os padres da Igreja. Contudo, o Concílio Vaticano II, em particular, deu uma grande atenção ao povo de Deus, por exemplo. Deu uma grande função à comunidade e isso é um elemento importante que reaparece nesta encíclica.

Veja tambem  Opera Omnia do Papa pretende superar polêmicas litúrgicas

– Qual é a importância desta encíclica para a cristologia e quais são as novidades que a Redemptor Hominis oferece nesta matéria?

– Angela Ales Bello: É de uma importância capital, porque se continua refletindo sobre a figura de Cristo fundamentalmente e sobre sua unidade de ser humano e de Ser Divino. Propriamente na linha desta unidade, é possível uma grande valorização do homem, do ser humano em geral, que está inclusa e esclarecida à luz de Cristo.

Já no título «Redentor do Homem» se vê a função específica que é a da redenção e a de dar uma resposta fundamental aos desejos profundos de todos os seres humanos, mas é uma resposta que não se refere só aos cristãos. Está dirigida a todos, porque todos os seres humanos foram salvos por Cristo. A função redentora de Cristo se estende a toda a humanidade.

– Qual é a importância desta encíclica para a Igreja e sua contínua preocupação pelo ser humano?

– Angela Ales Bello: Seguir a linha desta encíclica significa fazer transpirar na ação da Igreja, seja do ponto de vista doutrinal, intelectual e pastoral, a presença de Cristo. A Igreja tem um sentido porque a ela pertence quem se uniu a Cristo e quer imitá-lo. Esta deve ser a mensagem da Igreja Católica.

– Qual seria a base antropológica incluída nesta encíclica para temas relativos à defesa da vida e da dignidade humana?

– Angela Ales Bello: A base antropológica já se encontra na obra de João Paulo II, que havia escrito como filósofo e que justifica também esta posição teológica. Nestas obras se vê o grande valor que ele dá à pessoa humana e ao fato de que propriamente a pessoa humana se apresenta como um ser único, singular e por isso não manipulável, não sujeito a transformações que alterem sua natureza.

Veja tambem  Santa Sé desmente rumores sobre mudanças da reforma litúrgica

– Como se desenvolve nesta encíclica o pensamento wojtyliano?

– Angela Ales Bello: Creio que é justamente nesta encíclica que João Paulo II consegue integrar de forma orgânica e também pastoral todo o seu conhecimento do ponto de vista da antropologia filosófica, da antropologia teológica e, como diz a Fides et Ratio, uma observação geral sobre a relação entre teologia e filosofia neste texto, porque encontram uma aplicação precisa e uma forte correlação.

– Como o Papa nos apresenta no texto Cristo como modelo de uma integridade psicológica, espiritual e biológica?

– Angela Ales Bello: A imitação de Cristo significa justamente aquele que o ser humano tem como ponto de referência de seus valores. As próprias ações devem ser feitas sobre a base que esta pessoa, ou seja, Cristo, cumpriu. Toda a parte que tem que ver com o corpo e a psique. Também estes sentimentos que nós temos, que podem ser bons ou maus, não devem ser eliminados. Ao contrário, devem ser encaminhados em uma ação que pode ser positiva e que tem um valor. Por exemplo: se eu vejo uma pessoa que me incomoda, este sentimento espontâneo, natural, eu não uso, mas posso me perguntar: é justo que eu atue negativamente se esta pessoa me incomoda? O que faria Jesus? Por isso, posso controlar também meu aspecto físico e emotivo.

– Qual é a contribuição desta encíclica para a pessoa como um ser social?

– Angela Ales Bello: É necessário entender o que quer dizer comunidade. Por exemplo, quer dizer que nós devemos ser amigos das pessoas que conhecemos no aspecto cristão. Daqueles que são simpáticos, que nos agradam, são movimentos espontâneos emotivos. Devemos também fazer um trabalho ulterior como comunidade, quer dizer, construção de comunidade recíproca entre as pessoas e nós; temos um grande exemplo na comunidade que Jesus construiu com seus discípulos. Isso é um ponto de referência fundamental para nós.

Veja tambem  Papa encontrará sacerdotes, religiosos e seminaristas em Aparecida

– Trinta anos depois, como você acredita que a Igreja acolheu a mensagem desta encíclica?

– Angela Ales Bello: Penso que alguns elementos foram acolhidos. Não é necessário ser pessimistas, porque ainda quando algumas sementes se perderam, outras foram recolhidas. Talvez nem todos conseguiram isso adequadamente, mas algumas coisas de fundo representam alguns pontos que podem ser vistos no processo da compreensão da mensagem cristã, porque na realidade todo o esforço humano é o de compreender a mensagem cristã sempre melhor. Agora entendemos a mensagem que Jesus havia dito, que talvez tenha sido compreendida só recentemente em seu valor. Nós pensamos, por exemplo, no papel do homem e da mulher na Mulieris Dignitatem, que era um elemento que se tomou dos textos evangélicos mas que se desenvolveu quase dois mil anos depois.




Comentários no Facebook:

comments