Ir. Cristina Scuccia

Desde a noite da última quarta-feira (19) não se fala sobre outra coisa nos círculos católicos a não ser sobre a Ir. Cristina Scuccia (25 anos) e sua maravilhosa performance no “The Voice Italia”. Envergando seu hábito, a religiosa cantou e dançou a música “No one” de Alicia Keys. Aplaudida de pé pelo auditório, Ir. Cristina causou expressões de susto e estranheza nos quatro jurados que, ao girar a cadeira, depararam-se com uma freira cantando no palco. Em vista disso, alguns amigos enviaram mensagens pelo inbox perguntando o que eu achei sobre o fato. Ofereço-lhes agora a minha reflexão.

Em primeiro lugar, devo dizer que achei aquilo o cúmulo do ridículo. Uma religiosa cantando e dançando uma música profana num palco mundano… O que Madre Teresa diria sobre esse fato lamentável? Alguns protestarão afirmando que é um novo modo de evangelizar. Evangelizar? A que preço? Conformando-se ao jeito de ser e às expectativas do mundo? O Cardeal Cerejeira, grande Patriarca de Lisboa, dizia que o que o mundo espera do consagrado é que ele não se iguale ao mundo.

Não me admira que os jurados tenham feito aquela cara de espanto. O último tipo de pessoa que se poderia imaginar num palco daqueles é um freira! A prova mais clara dessa incompatibilidade é a cara de susto dos jurados, porque o mundo – e os jurados parecem-me representar bem esse mundo – reconhece bem o que é seu e o que não é, como nos diz o querido Pe Marcelo Tenorio.

Interessante também a pergunta de Raffaela Carrà (uma das juradas) sobre qual seria a reação do Vaticano àquela apresentação. Até na mente da Sra. Carrà aquela performance se opõe ao que se espera do comportamento das religiosas. Qual a resposta da freira? “Olha, não sei, espero um telefonema do Papa Francisco. Ele nos convida a sair, evangelizar, a dizer que Deus não nos tira nada, pelo contrário, nos dá ainda mais. Eu estou aqui por isso”. Será que é isso mesmo que o Santo Padre tem em mente quando nos convida a sair, evangelizar, etc.? Precisamos ter cuidado para não interpretar erroneamente as palavras do Santo Padre, senão vamos terminar “evangelizando” no “Rock in Rio” ou na “Parada Gay” de São Paulo. Imaginem aí as freiras de hábito cantando num trio de Ivete Sangalo no Carnaval baiano. Imaginem as religiosas desfilando de hábito como ‘destaque’ na Marquês de Sapucaí para ‘evangelizar’.

Veja tambem  Eu só posso orar usando fórmulas pré-estabelecidas e apenas em certas horas e locais?

A maioria das pessoas olha para um fato lamentável desses e aplaude como se fosse a coisa mais normal do mundo! Não acho normal que uma mulher que decidiu consagrar sua vida ao Senhor faça parte desse ‘circo’ funesto. Não acho normal que uma religiosa participe desse tipo de programa cantando frases como: “Você pode ter certeza de que só vai melhorar, você e eu juntos dias e noites. Eu não me preocupo porque tudo vai dar certo” (You can be sure that it will only get better, you and me together through the days and nights. I don’t worry ‘cause everything’s gonna be alright). Que letra evangelizadora! Aposto que moveu os corações de todos a retornar ao Senhor. “Só que não”!

E as caretas dela? E os seus pulinhos e gestos satânicos apontando o indicador e o mínimo para o alto? Tudo em nome de uma pseudo-evangelização. Não nos enganemos, meus caros! A radicalidade do Evangelho não comporta determinados comportamentos por parte de cristãos. Se a Ir. Cristina aprecia esse tipo de música, tudo bem. Mas, por gentileza, ‘sorella’, não nos exponha o escárnio. Não dê motivos aos inimigos da cruz de Cristo para pensar que, por causa de comportamentos como o seu, eles podem encontrar no Catolicismo um aliado.

Rezemos ao Senhor para que conceda a todos nós uma real compreensão do significado do nosso Batismo e das exigências que as nossas opções de vida comportam. Ouçamos a advertência do Apóstolo São Paulo: “Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e julgar, para que possais distinguir o que é da vontade de Deus, a saber, o que é bom, o que lhe agrada, o que é perfeito” (Rm 12,2).

Veja tambem  Cura imediata e inexplicável

Que Deus nos ajude!

Thiago Fragoso
João Pessoa, 21 de março de 2014




Comentários no Facebook:

comments