Audiência à Federação Universitária Católica Italiana

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 9 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- Bento XVI convidou os universitários a testemunharem com sua vida que é possível a «amizade» entre a inteligência e a fé.

Foi a mensagem que deixou nesta quinta-feira ao receber em audiência no Vaticano uma delegação da Federação Universitária Católica Italiana (FUCI) por ocasião do 110º aniversário de seu nascimento.

O Papa recordou aos 120 representantes da associação o «antigo e sempre atual carisma» da FUCI: «o testemunho convincente da ‘amizade possível’ entre a inteligência e a fé, que leva o esforço incessante de conjugar a maturidade na fé com o crescimento no estudo e a aquisição do saber científico».

Recordando uma expressão típica da FUCI: «crer no estudo», o bispo de Roma perguntou: «por que considerar que quem tem fé deve renunciar à busca da verdade e que quem busca livremente a verdade deve renunciar à fé?».

Respondeu que é possível esta harmonia entre fé e razão e considerou que os estudos universitários devem servir precisamente para alcançar «uma autêntica maturidade humana, científica e espiritual».

O estudo, assegurou, constitui «uma oportunidade providencial para avançar no caminho da fé, pois a inteligência bem cultivada abre o coração do homem à escuta da voz de Deus, sublinhando a importância do discernimento e da humildade».

«Jesus chama todos os seus amigos a modelar sua existência de uma forma sóbria e solidária, a estabelecer relações afetivas sinceras e gratuitas com os demais», disse o Papa aos universitários.

«A vós, jovens estudantes, é pedido que se comprometam honradamente no estudo, cultivando um senso de responsabilidade madura e um interesse compartilhado pelo bem comum. Que nos anos da Universidade ofereçais um testemunho evangélico convicto e valente», concluiu.

Veja tambem  Falsidade do suposto túmulo de Jesus, segundo arcebispo Bruno Forte

Em seu discurso, Bento XVI citou alguns membros históricos da FUCI, como os beatos Piergiorgio Frassati e Alberto Marvelli, assim como os políticos italianos Aldo Moro e Vittorio Bachelet, «barbaramente assassinados».

Não esqueceu tampouco que o Papa Paulo VI foi «assistente eclesiástico central da FUCI nos difíceis anos do fascismo».




Comentários no Facebook:

comments