Convida a «libertar Deus das prisões nas quais os homens o confinaram»

Por Jesús Colina

CIDADE DO VATICANO, domingo, 26 de abril de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI proclamou neste domingo 5 novos santos, quatro italianos e um português, modelos para uma «sociedade desorientada e muitas vezes ferida», nos quais pôde encontrar inspiração inclusive para superar a crise econômica.

Ao repassar suas biografias, durante a celebração eucarística que presidiu em uma Praça de São Pedro praticamente lotada de fiéis, o Papa convidou a «libertar Deus das prisões nas quais os homens o confinaram».

Os novos santos são todos religiosos e quatro deles fundaram congregações religiosas; o outro é de Nuno de Santa Maria Álvares Pereira (1360-1431), herói nacional português.

Arcangelo Tadini

Ao evocar na homilia, pronunciada em italiano e português, a vida de Santo Arcangelo Tadini (1846-1912), sacerdote de Bréscia, mostrou as iniciativas que ele impulsionou à luz do amor por Jesus, presente na Eucaristia, para resolver as graves situações criadas pela crise econômica de sua época, motivos de inspiração para a atual.

«Assumiu por este motivo muitas iniciativas concretas e valentes, como a organização da Sociedade Operária Católica do Mutuo Socorro, a construção da fábrica de fio, da casa de assistência para operárias, e a fundação, em 1900, da Congregação das Irmãs Operárias da Santa Casa de Nazaré, com o objetivo de evangelizar o mundo do trabalho, compartilhando o cansaço e seguindo o exemplo da Sagrada Família de Nazaré.»

«Quão profética foi a intuição carismática de Tadini e quão atual permanece hoje seu exemplo, em uma época de grave crise econômica. Ele nos recorda que só cultivando uma constante e profunda relação com o Senhor, especialmente no Sacramento da Eucaristia, podemos ser capazes de dar o fermento do Evangelho às diferentes atividades trabalhistas e a cada âmbito de nossa sociedade», constatou o Papa.

Veja tambem  Em 2007, 25 milhões de cristãos perseguidos

Bernardo Tolomei

Depois evocou a figura de Bernardo Tolomei (1272-1348), abade, fundador da Congregação de Santa Maria do Monte Oliveto, da Ordem de São Bento, a quem o Papa apresentou como «autêntico mártir da caridade», pois faleceu por atender os monges que haviam contraído a grande peste de 1348.

«O exemplo deste santo é para nós um convite a traduzir nossa fé em uma vida dedicada a Deus na oração e total entrega ao serviço do próximo, com o impulso de uma caridade disposta inclusive ao sacrifício supremo», afirmou o Papa.

Nuno de Santa Maria

Entre os novos santos também se encontra Nuno de Santa Maria (1360-1431), condestável, ou seja, chefe do exército português, que dirigiu várias vitórias contra os castelhanos. Após a morte de sua esposa, entregou seus bens e entrou em um convento de carmelitas que ele mesmo havia fundado. Como religioso, dedicou-se totalmente à assistência dos pobres e organizou para eles a distribuição diária de comida.

O Papa apresentou a toda a Igreja «esta figura exemplar, marcada por uma vida de fé e de oração em contextos aparentemente pouco favoráveis à mesma, prova de que em qualquer situação – inclusive de caráter militar ou bélico – é possível atuar e realizar os valores e princípios de vida cristã».

Gertrude Comensoli

Ao recordar a nova santa, Gertrude Comensoli (1847-1903), o Papa explicou que fundou o Instituto das Irmãs do Santíssimo Sacramento «para traduzir a ‘caridade contemplada’ no Cristo Eucarístico em ‘caridade vivida’, dedicando-se ao próximo necessitado».

«Em uma sociedade desorientada e muitas vezes ferida como a nossa, Santa Gertrude indica como ponto firme de referência o Deus que na Eucaristia se fez nosso companheiro de viagem, a uma juventude como a de nossos tempos, em busca de valores e de sentido para a existência», afirmou o Papa.

Veja tambem  “Galileu e O Vaticano” derruba lenda negra sobre cientista e a Igreja

Caterina Vopicelli

Por último, o Papa apresentou o modelo de santa Catarina Volpicelli, fundadora da Congregação das Escravas do Sagrado Coração, «que se esforçou por ‘ser de Cristo, para transmitir Cristo’ a todos que encontrou em Nápoles, no final do século XIX, em um tempo de crise espiritual e social».

O Papa constatou, ao recolher sua herança espiritual, que para ser autênticos educadores da fé e transmitir às «novas gerações os valores da cultura cristã, é indispensável, como gostava de repetir, libertar Deus das prisões nas quais os homens o confinaram».

Segundo o Papa, Santa Caterina mostra hoje «o caminho exigente de uma conversão que transforme a raiz do coração e se traduza em ações coerentes com o Evangelho».

«É possível, assim, colocar as bases para construir uma sociedade aberta à justiça e à solidariedade, superando esse desequilíbrio econômico e cultural que ainda permanece em grande parte de nosso planeta», concluiu.

Ao terminar a celebração, antes de rezar o Regina Caeli, o Papa desejou a cada um dos peregrinos vindos a Roma para participar da canonização dos novos santos que esta canonização ajude «cada um a ‘correr’ com mais alegria e impulso rumo à ‘meta’ final, para ‘o prêmio que Deus nos chama a receber do alto em Cristo Jesus’».




Comentários no Facebook:

comments