Ao rezar o Ângelus com os peregrinos este domingo

CIDADE DO VATICANO, domingo 15 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- O Papa explicou este domingo antes da oração do Ângelus na Praça de São Pedro qual é o poder da Palavra de Cristo.

“Aqueles que ouvem a Palavra, a acolhem e dão fruto, formam parte do Reino de Deus –indicou, fazendo referência ao Evangelho de Marcos–, quer dizer, vivem sob seu senhorio.”

E continuou: “permanecem no mundo, mas já não são do mundo; levam em si uma semente de eternidade, um princípio de transformação que se manifesta já agora na vida boa, animada pela caridade, e ao final produzirá a ressurreição da carne”.

Depois desta explicação, Bento XVI destacou que “a Virgem Maria é o sinal vivo desta verdade”.

“Seu coração foi ‘terra boa’ que acolheu com plena disponibilidade a Palavra de Deus, de maneira que toda sua existência, transformada segundo a imagem do Filho, foi introduzida na eternidade”, afirmou,

“Seguindo Cristo sobre o caminho da cruz –assegurou–, possamos chegar também nós à glória da ressurreição.”

O Santo Padre destacou que “todo o criado está marcado pela finitude, inclusive os elementos divinizados das antigas mitologias: não há confusão entre o criado e o Criador, mas uma diferença clara”.

“Com essa clara distinção –acrescentou–, Jesus afirma que suas palavras ‘não passarão’, quer dizer, estão na parte de Deus e portanto são eternas.”

“Ainda que pronunciadas no concreto de sua existência terrena, são palavras proféticas por excelência”, explicou.

Na saudação aos peregrinos de língua alemã, o Santo Padre indicou que “em Deus encontramos a verdadeira liberdade e alegria duradoura” e que Cristo “nos ensina como devemos amar a Deus e ao próximo”.

Veja tambem  O Papa encomenda a vida frágil, indefesa e ameaçada à proteção de Maria

Já para os peregrinos húngaros, indicou que eles sejam capazes de viver a boa nova do Evangelho em uma sociedade secularizada.




Comentários no Facebook:

comments