Oferece na audiência geral uma meditação sobre o tríduo sacro

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 4 de abril de 2007 (ZENIT.org).- Entre a Quinta-Feira Santa e o Domingo de Páscoa não só se recorda, mas se revive a paixão, morte e ressurreição de Jesus, assegura Bento XVI.

O Papa dedicou a audiência geral dessa Quarta-Feira Santa, celebrada na Praça de São Pedro com a presença de mais de 20.000 peregrinos, a meditar sobre o Tríduo Sacro, momento culminante do calendário cristão, que neste ano coincide nas mesmas datas para ortodoxos e católicos.

«O mistério pascal, que o Tríduo Santo nos permitirá reviver, não é só uma recordação de uma realidade passada, é uma realidade atual», afirmou ao concluir sua reflexão.

Nela, fez os peregrinos, entre os quais havia numerosos jovens, reviverem os momentos mais dramáticos das últimas horas de Jesus.

Com palavras gráficas, apresentou o momento no qual Judas abandonou Jesus e seus discípulos no Cenáculo, durante a Última Ceia, na Quinta-Feira Santa.

A obscuridade penetrou no coração do traidor, recordou, «é uma noite interior, o desânimo se apodera do espírito dos demais discípulos — também eles penetram na noite –, enquanto as trevas do abandono e do ódio se adensam ao redor do Filho do Homem, que se prepara para consumar seu sacrifício na cruz».

«Comemoraremos o confronto supremo entre a Luz e as Trevas, entre a Vida e a Morte», explicou.

«Também nós temos de situar-nos neste contexto, conscientes de nossa ‘noite’, de nossas culpas e responsabilidades, se queremos reviver com proveito espiritual o Mistério pascal, se queremos chegar à luz do coração, mediante este Mistério, que constitui o fulcro central de nossa fé», reconheceu.

«Também hoje Cristo vence com seu amor o pecado e a morte — afirmou. O Mal, em todas suas formas, não tem a última palavra.»

Veja tambem  Questionando os Protestantes - IV

«O triunfo é de Cristo, da verdade e do amor!», insistiu.

«Nesta certeza se baseia e se edifica nossa existência cristã», declarou, convidando os fiéis a viverem com fervor «o Tríduo Pascal, para experimentar a alegria da Páscoa junto a todos vossos entes queridos».

«Experimentaremos, assim, que a Igreja está sempre viva, sempre se rejuvenesce, sempre é bela e santa, porque seu fundamento é Cristo que, após ter ressuscitado, já não morre mais», indicou.




Comentários no Facebook:

comments