Padre, demitido de suas funções por ser maçom, ‘tenta’ explicar e justificar sua dupla “filiação”

Padre Vesin em Roma. Demitido de suas funções por ser maçom.
Padre Vesin em Roma

O padre maçom francês que nesse verão fez uma peregrinação a pé até Roma, em uma tentativa de explicar sua dupla filiação, expressou nessa quinta-feira o seu desapontamento por não ter sido recebido pelo Papa.“Mesmo que não se deva sonhar com um encontro com o Papa Francisco, não tenho o direito a uma resposta?”, questionou, em um e-mail enviado à AFP, o padre Pascal Vesin, demitido das suas funções como pároco em maio pelo Bispo de Annecy (Alpes franceses).

Eu pensei que a minha vinda e minha mensagem portadora de uma questão que está além de mim e que se refere a muitos católicos chamaria a sua atenção”, escreveu ele, considerando que a pena lhe foi imposta é “injustificada”. À agência I.Media, especializada em Vaticano, o padre Vesin admitiu ter sido brevemente recebido por um sub-subsecretário da Congregação para a Doutrina da Fé, que o tratou “como quantidade insignificante”, lembrando a ele a “incompatibilidade” entre os princípios da fé e a Maçonaria.

Em 21 de agosto, depois de uma peregrinação de 39 dias desde Megeve, nos Alpes franceses, até o Vaticano, o padre Vesin chegou a Roma na esperança de que o Vaticano entendesse suas razões e que Franciso suspendesse a sanção. Sacerdote há 17 anos, o Pascal Vesin, 43 anos, pastor da paróquia de St. Anne d’Arly-Montjoie em Megeve é ​​membro ativo do Grande Oriente de França há 13 anos. Apegado à Igreja e ao seu sacerdócio, ele acredita que a Maçonaria evoluiu, levanta questões interessantes e não é mais hostil à religião como era um século atrás. Em maio, o padre havia sido afastado de suas funções, impedido de celebrar e comunicar, devido à sua “participação ativa” em uma loja. Ele continua a ser um padre, “mas sem o direito de exercer” explicou o bispo, acrescentando que a pena pode ser dispensada se ele deixar a Maçonaria.

Veja tambem  O mal se origina no uso errôneo da liberdade do homem, explica Bento XVI

Sua diocese tinha justificado a punição, explicando que o padre tinha decidido, apesar dos avisos pela liberdade absoluta de consciência, reivindicando sua dupla filiação.




Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

A santa ira de São João Maria Vianney

Próximo

Pró-vidas criticam a agressividade do Femen e assinalam falta de argumentos para defender o aborto

3 Comentários

  1. Jorge Alves

    Ou serve a Deus ou ao dinheiro! Muito bem! Parabéns a Igreja Católica que sabe distinguir as coisas sob a luz do Espírito Santo.

  2. Francisco Barbosa

    Que Padre sínico. O cara desobedece a Igreja e ainda exige ser recebido pelo Santo Padre. Primeiro ele deveria deixar a tal prática q é incompatível com a Santa Doutrina de Deus. Vai se converter, Padre.

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén