Ao apresentar os ensinamentos do bispo Afraates, o Sábio
CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 21 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- A oração, para o cristão, é levar Jesus no coração, considera Bento XVI.

É a conclusão à qual chegou nesta quarta-feira durante a audiência geral na qual apresentou os ensinamentos do bispo Afraates, o Sábio, que viveu no atual Iraque. O Papa o definiu como «um dos personagens mais importantes e, ao mesmo tempo, mais enigmáticos do cristianismo siríaco do século IV».

«Segundo este antigo “Sábio”, a oração se realiza quando Cristo habita no coração do cristão e o convida a um compromisso coerente de caridade com o próximo», explicou o Santo Padre aos mais de 15 mil peregrinos congregados na praça de São Pedro, no Vaticano.

Citando o bispo iraquiano, o Papa explicou que a oração «é aceita quando consola o próximo. A oração é escutada quando nela se encontra também o perdão das ofensas. A oração é forte quando está cheia da força de Deus».

«Com estas palavras, Afraates convida-nos a uma oração que se converta em vida cristã, em vida realizada, em vida impregnada de fé, de abertura a Deus e, assim, de amor ao próximo», explicou o Santo Padre.

Fiel à tradição siríaca, o sábio bispo apresentou a salvação realizada por Cristo «como uma cura e, por conseguinte, o próprio Cristo como médico».

«Ao contrário, considera o pecado como uma ferida, que só a penitência pode sanar».

«Um homem que foi ferido em batalha – dizia Afraates –, não se envergonha de pôr-se nas mãos de um médico sábio». E acrescenta: «do mesmo modo, quem foi ferido por Satanás não deve envergonhar-se de reconhecer a sua culpa e afastar-se dela, pedindo o remédio da penitência».

Veja tambem  Consagração das Famílias ao Sagrado Coração

Para o Papa, como para Afraates, Cristo é «o mestre de oração».

Com sua intervenção, o Santo Padre continuou com a série de intervenções sobre os grandes personagens das origens da Igreja.




Comentários no Facebook:

comments