VATICANO, 14 Ago. 06 (ACI) .- “O catolicismo não é um amontoado de proibições, mas uma opção positiva”, destacou o Papa Bento XVI em uma entrevista televisiva emitida ontem pela televisão alemã, em que expressou sua visão sobre o mundo ocidental, os jovens, a proposta moral cristã hoje, a família, o futuro do cristianismo na Europa, as mulheres na Igreja e seus planos de viagens próximas. A entrevista foi realizada há alguns dias no Palácio Apostólico de Castel Gandolfo em preparação para sua próxima viagem à sua Baviera natal. O Santo Padre aproveitou uma pergunta sobre aspectos de sua próxima visita a terras bávaras, para ressaltar que “o assunto fundamental é que devemos redescobrir a Deus, não um Deus qualquer, mas o Deus com o rosto humano, porque quando vemos Jesus Cristo vemos Deus. E partindo disto devemos encontrar os caminhos para nos encontrar na família, entre as gerações e também entre as culturas e os povos, entre os caminhos da reconciliação e a convivência pacifica neste mundo, e os caminhos que conduzem para o futuro”.

Na entrevista em preparação para sua viagem a München, Altötting e Regensburg entre 9 e 14 de setembro, o Santo Padre respondeu a perguntas sobre os temas que abordará em seu país natal, sua visão da Igreja ali e o mundo ocidental, os jovens, a atual situação de violência no Oriente Médio, o equilíbrio entre o primado do Papa e a colegialidade episcopal, o ecumenismo, a família, a moral, o futuro do cristianismo na Europa, o lugar e missão das mulheres na comunidade eclesiástica, o “novo fascínio” que o catolicismo exerce hoje, os planos respeito a suas próximas viagens e alguns aspectos de sua personalidade e ministério petrino.

Ao ser perguntado a respeito da situação atual da Igreja em terras germanas, o Pontífice precisou que seu país forma parte do Ocidente e que “no mundo ocidental hoje vivemos uma onda de um novo iluminismo drástico ou laicidade”.

Veja tambem  Só Deus pode saciar a sede de verdade e de felicidade, assegura Papa

“Acreditar se tornou mais difícil, porque o mundo no qual nos encontramos está feito completamente por nós mesmos e no que, por assim dizer Deus já não aparece diretamente. Já não se bebe diretamente da fonte, mas sim do recipiente que nos apresenta já cheio, etc. Os homens construíram o próprio mundo, e encontrá-Lo neste mundo se tornou algo muito difícil”.

Entrevistado pelos jornalistas da rede televisiva Bayerischer Rundfunk (ARD); ZDF; Deutsche Welle e a Rádio Vaticano, o Papa manifestou seu desejo de apelar à generosidade dos jovens que, entretanto, “diante do risco de comprometer-se por toda a vida, quer seja no matrimônio ou no sacerdócio” experimentam medo.

Diante do temor que se experimenta de “atar a liberdade” com uma decisão definitiva, o Santo Padre notou a urgência de “despertar o valor de ousar decisões definitivas, que na realidade são as únicas que fazem possível o crescimento, o caminho para frente e o alcançar algo importante na vida, as únicas que não destroem a liberdade, mas que lhe oferecerem a justa direção no espaço”.

Como foi dado a conhecer há uma semana, Bento XVI se referiu ao atual conflito armado no Oriente Médio afirmando que “a guerra é a pior solução para todos. Não contribui em nada de bom para ninguém, nem sequer para os supostos ‘vencedores’” e que o que todos precisam é de paz.

Família e moral

Ao referir-se à família, em particular a sua mensagem em sua última viagem a Valência (Espanha), o Pontífice destacou que “o cristianismo, o catolicismo não é um amontoado de proibições, mas uma opção positiva”.

Depois de notar que “hoje esta consciência desapareceu quase completamente”, o Papa disse que “ouvimos tanto falar do que não está permitido que agora é preciso dizer: Mas nós temos uma idéia positiva a propor; que o homem e a mulher são feitos um para o outro, que a escala –por assim dizer-: sexualidade, eros, ágape, indica as dimensões do amor e sobre este caminho cresce sempre o matrimônio, como encontro entre um homem e uma mulher, cume da felicidade e da bênção, e depois a família, que garante a continuidade entre gerações, em que as gerações se reconciliam entre elas e em que também as culturas podem se encontrar”.

Veja tambem  Sacerdotes devem entregar-se à oração e viver com radicalidade, diz autoridade do Vaticano

Ao responder a uma pergunta sobre a AIDS e a superpopulação e a insistência da Igreja Católica nos aspectos morais desta problemática, o Papa desprezou que essa ênfase fosse em demasia: “Insistimos realmente tanto sobre a moral? Eu diria –cada vez estou mais convencido após meu diálogo com os bispos africanos– que a questão fundamental, se queremos dar passos adiante neste sentido, chama-se educação, formação”.

“O progresso só pode ser progresso real se servir a pessoa humana e se a própria pessoa humana crescer, não cresce só seu poder técnico, mas também sua capacidade moral. E acredito que o verdadeiro problema de nossa situação histórica seja o desequilíbrio entre o crescimento incrivelmente rápido de nosso poder técnico e o de nossa capacidade moral, que não cresce de forma proporcional”, apontou.




Comentários no Facebook:

comments