O jornalista italiano Fabrizio Mastrofini explica a iniciativa

ROMA, sexta-feira, 26 de maio de 2006 (ZENIT.org).- Com o objetivo de conseguir uma maior presença e dinamismo nos meios de comunicação, a Igreja Católica na Itália criou a figura do «animador de comunicação e cultura».

Trata-se em geral de leigos que recebem uma formação específica e que têm por objetivo sensibilizar as paróquias e dioceses no desafio de evangelizar estando presente nos meios de comunicação e na vida cultural.

A figura surgiu do documento «Comunicação e missão», publicado em outubro de 2004 pela Conferência Episcopal Italiana.

Agora acaba de se publicar neste país um manual prático sobre esta figura, que leva por título «O animador da comunicação e da cultura» («L?animatore della comunicazione e della cultura», ediciones Paoline).

Por ocasião da Jornada Mundial das Comunicações Sociais, que se celebrará no próximo domingo 28 de maio, Zenit entrevistou seu autor, Fabrizio Mastrofini, jornalista de «Rádio Vaticano», professor de comunicação do Instituto de Teologia «Claretianum» de Roma.

–A figura do animador da comunicação e da cultura é uma invenção italiana?

–Mastrofini: Nasce da exigência de intervir nos meios de comunicação de maneira específica e de oferecer orientações. É uma invenção italiana no sentido em que foi criada no contexto do «Projeto Cultural» lançado pela Conferência Episcopal Italiana há dez anos. A idéia é reevangelizar a cultura, mas também adquirir a capacidade de orientar em matéria de comunicação, tanto dentro como fora do ambiente católico.

–O «animador» é um agente pastoral que se incorpora ao Departamento de Comunicação?

–Mastrofini: O animador é uma figura que deve estar presente em cada paróquia, somando-se e integrando-se com outras existentes, como a do catequista ou a do animador de grupos, para se ocupar também da formação em comunicação dos formadores. Naturalmente, na diocese, deve estar em relação com os Departamentos de Comunicação.

Veja tambem  O falacioso Protestantismo

–Como é possível criar em cada paróquia «antenas de verdade»?

–Mastrofini: É o verdadeiro problema! É preciso um pároco que queira, que compreenda a urgência de se formar em comunicação, que saiba fazer crescer a comunicação interna entre os diversos elementos da paróquia. O verdadeiro desafio está aqui: acabar com os compartimentos fechados e valorizar o patrimônio de atividades, de idéias e de experiências. Usando também todos os meios e todos os recursos existentes para enviar uma mensagem ao exterior, uma mensagem positiva. E aprendendo como se pode comunicar de modo eficaz.

–Este animador deve ter muitas competências: informática, musicais, comunicativas, artísticas, socioculturais … parece uma figura impossível de encontrar em uma só pessoa!

–Mastrofini: Claro, o ideal seria ter em cada paróquia um pequeno grupo de três ou inclusive quatro animadores que possam atuar juntos e cada um em sua área de competência. O verdadeiro problema não é encontrar os animadores, porque há jovens voluntários e interessados. O verdadeiro problema é que se dê espaço a esta figura.




Comentários no Facebook:

comments