Há uma ceifa para as espigas de trigo materiais e outra para as espigas dotadas de razão, isto é, para o género humano. Esta efectua-se entre os infiéis e reúne na fé os que acolhem o anúncio do Evangelho. Os trabalhadores desta ceifa são os apóstolos de Cristo, depois os seus sucessores, depois, ao longo do tempo, os doutores da Igreja. Cristo diz a seu respeito: «O ceifeiro recebe o seu salário; recolhe o fruto para a vida eterna» (Jo 4,36). […]

Mas há ainda outra ceifa: é a passagem desta vida para a vida futura que, para cada um de nós, se faz pela morte. Os trabalhadores dessa ceifa não são os apóstolos, mas os anjos. Estes têm maior responsabilidade do que os apóstolos, porque fazem a triagem que se segue à ceifa e separam os bons dos maus, tal como se faz com o joio e a boa semente. Nós somos desde já «o povo escolhido de Deus, a geração santa» (1Ped 2,9), a Igreja do Deus vivo, escolhida de entre os ímpios e os infiéis. Que sejamos separados do joio deste mundo tal como seremos no mundo que há-de vir, e reunidos à multidão dos que foram salvos em Cristo, nosso Senhor, que é bendito pelos séculos dos séculos.




Comentários no Facebook:

comments