Moisés escreveu na Lei: «Deus fez o homem à sua imagem e à sua semelhança» (Gn 1,26). […] Cabe-nos pois reflectir, para o Nosso Deus e nosso Pai, a imagem da sua santidade. {…] Não sejamos pintores de uma imagem diferente […] e, para que não inscrevamos em nós a imagem do orgulho, deixemos que o próprio Cristo pinte em nós a sua imagem. Ele pintou-a quando disse: «Dou-vos a paz. Deixo-vos a minha paz.»

Mas de que nos serve saber que essa paz é boa, se não cuidamos dela? Aquilo que é bom habitualmente é frágil; e os bens preciosos reclamam cuidados maiores e uma atenção mais vigilante. Muito frágil é a paz que se pode perder por uma palavras apressada ou uma pequena mágoa infligida a um irmão. Ora, nada agrada mais aos homens do que falar a despropósito e ocupar-se do que não lhes diz respeito, proferir discursos vãos e criticar os ausentes. Daí que aqueles que não podem dizer: «O Senhor deu-me a língua dum discípulo para que eu saiba reconfortar pela palavra aquele que está abatido» (Is 50,4) devem calar-se ou, se dizem alguma palavra, que seja uma palavra de paz. […] «A plenitude da lei é o amor» (Rom 13,8). Que se digne inspirá-lo em nós o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, autor da paz e Deus do amor.




Comentários no Facebook:

comments