Aquele que verdadeiramente venera a Paixão do Senhor deve olhar de tal forma a Jesus crucificado com os olhos do coração, que consiga reconhecer a sua própria carne na dele. […] A nenhum doente será recusada a vitória da cruz, e não há ninguém que não encontre socorro na oração de Cristo; se ela aproveitou a muitos dos seus algozes, quanto mais não ajudará os que se voltam para Ele?

Esta adopção da nossa natureza pela divindade, graças à qual «o Verbo Se fez carne e habitou entre nós» (Jo 1,14), a ninguém exclui da sua misericórdia, a não ser a quem recusa a fé. Pois o homem tem uma natureza comum com Cristo, se acolher Aquele que a assumiu e se tiver sido regenerado pelo Espírito que O gerou. Além disso, podemos reconhecer as nossas próprias fraquezas […] naquele que «tomou a condição de escravo» (Fil 2,7). […]      

É nosso, aquele corpo sem vida que jazia no sepulcro mas que ressuscitou ao terceiro dia, e que, elevando-se acima de todas as alturas celestes, subiu até à direita da majestade do Pai. Se caminharmos pela via dos seus mandamentos e se não tivermos vergonha de confessar tudo o que Ele fez pela nossa salvação no rebaixamento da sua carne, também nós seremos elevados até partilhar a sua glória. Porque aquilo que Ele anunciou cumprir-se-á de forma deslumbrante: «Aquele que se pronunciar por Mim diante dos homens, também Eu me pronunciarei por ele diante do meu Pai que está nos céus» (Mt 10,32).     




Comentários no Facebook:

comments