Irmãos: Eu sei que em mim, isto é, na minha natureza, não habita o bem, pois querer o bem está ao meu alcance, mas realizá-lo não está.
Na verdade, não faço o bem, que quero, mas pratico o mal, que não quero.
Ora, se eu faço o que não quero, já não sou eu que o realizo, mas o pecado que habita em mim.
Descubro pois em mim esta lei: ao querer fazer o bem, é o mal que está ao meu alcance.
Sinto prazer na lei de Deus, segundo o homem interior.
Mas vejo que há outra lei nos meus membros, que luta contra a lei da minha razão; ela torna-me escravo da lei do pecado, que está nos meus membros.
Infeliz de mim! Quem me libertará deste corpo de morte?
Graças a Deus, por Jesus Cristo, Senhor nosso! Concluindo: eu sou o mesmo que, com o espírito, sirvo a lei de Deus e, com a carne, a lei do pecado.




Comentários no Facebook:

comments