Irmãos, que não haja discórdia entre vós, dado que nos encontramos nos dias santos [da quaresma]. […] Talvez penseis: «Eu quero fazer as pazes, mas foi o meu irmão que me ofendeu […] e ele não quer pedir-me perdão.» O que fazer nesses casos? […] Interpor entre vós terceiros, amigos da paz. […] Tu, mostra-te disposto a perdoar, mostra-te totalmente disposto a desculpar-lhe a falta de todo o coração. Se estiveres disposto a desculpar-lhe a falta, já lha desculpaste.

Falta-te agora rezar: reza por ele, a fim de que te peça perdão, porque sabes que não é bom para ele não o fazer. Reza por ele […]; diz ao Senhor: «Sabes que eu não ofendi o meu irmão […] e que a ofensa que me fez lhe é prejudicial; peço-te, pois, um coração bom para lhe perdoar.»

Eis o que tendes de fazer para viverdes em paz com os vossos irmãos […], para que festejemos a Páscoa serenamente e possamos comemorar serenamente a Paixão daquele que nada devia a ninguém e que assumiu as dívidas em vez dos devedores, o Senhor Jesus Cristo, que não ofendeu ninguém e que, por assim dizer, foi ofendido por toda a gente. Ele não exigiu castigos, mas prometeu recompensas. […] É Ele que tomamos como testemunho no nosso coração: se ofendemos alguém, peçamos-lhe perdão; e, se alguém nos ofendeu, estejamos prontos a perdoar e a rezar pelos nossos inimigos.




Comentários no Facebook:

comments