Eis chegado o reino da vida e derrubado o poder da morte. Surgiu outro nascimento, qual vida nova, qual nova maneira de ser, qual transformação da nossa própria natureza. Esse nascimento não é obra «nem da vontade do homem, nem da vontade da carne, mas de Deus» (Jo 1,13).

Eis o dia que o Senhor fez (Sl 117,24). Dia bem diferente dos do início, pois neste dia Deus fez um céu novo e uma nova terra, como diz o profeta (Is 65,17). Que céu é esse? É o firmamento da fé em Cristo. E que terra é essa? É um coração bom, como diz o Senhor, uma terra que se impregna da chuva que desce sobre ela, uma terra que faz crescer colheitas abundantes (Lc 8,15). Nesta criação, o sol é a vida pura; as estrelas são as virtudes; o ar é uma conduta límpida; o mar é a riqueza das profundezas do conhecimento e da sabedoria; a erva e as folhagens são a boa doutrina e os ensinamentos divinos de que se alimenta o rebanho, isto é, o povo de Deus; as árvores de fruto são a prática dos mandamentos. Neste dia é criado o homem verdadeiro, aquele que é feito à imagem e semelhança de Deus (Gn 1,27).

É todo um mundo que inaugura para ti «este dia que o Senhor fez»! O maior privilégio deste dia de graça é ter destruído a morte e dado vida ao primogénito dos mortos. […] Que grande notícia! Aquele que por nós Se tornou como nós, para fazer de nós seus irmãos, conduz a sua própria humanidade para o Pai a fim de levar consigo todos os da sua raça.




Comentários no Facebook:

comments