É natural que o jejum de Cristo seja vulgar entre os cristãos. É natural que os membros imitem a Cabeça (Col 1,18). Se recebemos os bens desta Cabeça, não suportaremos também os seus males? Quereremos rejeitar a sua tristeza e participar apenas das suas alegrias? Se é assim, estamos a mostrar-nos indignos de fazer corpo com esta Cabeça. Porque tudo o que Ele sofreu foi por nós. Se nos repugna colaborar na obra da nossa salvação, não estamos a ser seus colaboradores. Jejuar com Cristo é pouca coisa para quem quer sentar-se com ele à mesa do Pai. Feliz o membro que tiver aderido em tudo a esta Cabeça e a tiver seguido para onde quer que ela vá (Ap 14,4). Pois, de dela fosse cortado e separado, seria imediatamente privado do sopro da vida. […]

Para mim, aderir completamente a Ti é um bem, ó Cabeça gloriosa e bendita por todos os séculos, perante a qual até os anjos se inclinam com cobiça (1Ped 1,12). Seguir-Te-ei para onde quer que vás. Se passares pelo fogo, não me separarei de Ti, e não temerei nenhum mal, porque Tu estás comigo (Sl 22,4). Tu carregas as minhas dores e sofres por mim. Tu foste o primeiro a passar pela porta estreita do sofrimento, para abrires uma grande passagem aos membros que Te seguem. Quem nos separará do amor de Cristo? (Rom 8,35). […] Este amor é o perfume que desce da cabeça sobre a barba, que desce depois sobre a gola da veste, para a olear até ao mais pequeno fio (Sl 132,2). Na Cabeça encontra-se a plenitude da graça, e dela recebemos tudo. Na Cabeça está toda a misericórdia, na Cabeça, um excesso de perfumes espirituais, como está escrito: «Deus ungiu-Te com o óleo da alegria» (Sl 44,8). […]

E nós, o que nos pede o evangelho no início desta quaresma? «Quando jejuares, perfuma a cabeça» (Mt 6,17). Admirável condescendência! O Espírito do Senhor está sobre Ele, ungiu-O (Lc 4,18), e contudo, ao evangelizar os pobres, Ele diz-lhes: «Perfuma a cabeça.»




Comentários no Facebook:

comments