Todo o sumo sacerdote, escolhido de entre os homens, é constituído em favor dos homens, nas suas relações com Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados.
Ele pode ser compreensivo para com os ignorantes e os transviados, porque também ele está revestido de fraqueza;
e, por isso, deve oferecer sacrifícios pelos próprios pecados e pelos do seu povo.
Ninguém pode atribuir a si próprio esta honra, senão quem foi chamado por Deus, como Aarão.
Assim também, não foi Cristo que tomou para Si a glória de Se tornar sumo sacerdote; deu-Lha Aquele que Lhe disse: “Tu és meu Filho, Eu hoje Te gerei”,
e como disse ainda noutro lugar: “Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedec”.
Nos dias da sua vida mortal, Cristo dirigiu preces e súplicas, com grandes clamores e lágrimas, Àquele que O podia livrar da morte e foi atendido por causa da sua piedade.
Apesar de ser Filho, aprendeu a obediência no sofrimento
e, tendo atingido a sua plenitude, tornou-Se para todos os que Lhe obedecem causa de salvação eterna,
Ele que foi proclamado por Deus sumo sacerdote segundo a ordem de Melquisedec.




Comentários no Facebook:

comments