Doentes, precisamos do Salvador; perdidos, daquele que nos conduzirá; sedentos, da fonte de água viva; mortos, precisamos da vida; ovelhas, do pastor; crianças, do educador; e toda a humanidade precisa de Jesus. […]

Podemos compreender a sabedoria suprema do santíssimo pastor e educador, que é o Todo-Poderoso e o Verbo do Pai, quando Ele Se serve de uma alegoria, dizendo-Se pastor das ovelhas; mas Ele é também o educador dos pequeninos. Com efeito, dirige-Se longamente aos anciãos, por intermédio de Ezequiel, dando-lhes exemplo da sua solicitude: «Cuidarei da que está ferida e tratarei da que está doente; procurarei a que se tinha perdido, e a todas apascentarei com justiça» (Ez 34,16). Sim, Senhor, conduz-nos aos prados férteis da tua justiça. Sim, Tu, que és o nosso educador, sê o nosso pastor até à tua montanha santa, até à Igreja que se eleva acima das nuvens, que toca nos céus. «Eu, que apascentarei as minhas ovelhas, sou Eu quem as fará descansar» (Ez 34,15). Ele quer salvar a minha carne, revestindo-a com a túnica da incorruptibilidade. […] «Clamarás e Ele dirá: “Eis-Me aqui!”»(Is 58,9). […]

Assim é o nosso educador, bom com justiça. «O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir» (Mt 20,28). É por isso que, no Evangelho, nos aparece fatigado (Jo 4,5), porque Se fatiga por nós e promete dar a sua vida em resgate de muitos (Mt 20,28). E afirma que só o bom pastor age desta maneira. Que doador magnífico, que dá por nós o que de maior tem: a sua vida! Que benfeitor amigo dos homens, que preferiu ser irmão a ser Senhor deles! Que levou a sua bondade a ponto de morrer por nós.




Comentários no Facebook:

comments