É difícil não confundir a palavra com a voz; foi por isso que tomaram João como o Messias: a voz foi confundida com a Palavra. Mas a voz reconheceu-se a si mesma como tal, para não lesar a Palavra, e disse: «Não sou Cristo, nem Elias, nem o profeta.» Quando lhe perguntaram: «Então quem és?», respondeu: «Eu sou a voz do que clama no deserto» (Jo 1,23). […]

Ele é a voz de quem quebra o silêncio: «Preparai o caminho do Senhor», como se dissesse: «Sou a voz que se faz ouvir apenas para introduzir a Palavra no vosso coração; mas esta não se dignará entrar onde pretendo introduzi-la se não lhe preparardes o caminho.» E que quer dizer «Preparai o caminho», senão: «Suplicai insistentemente»? Que quer dizer «Preparai o caminho», senão: «Sede humildes de coração»?

Imitai o exemplo de humildade de João Baptista. Consideram-no o Messias, mas ele responde que não é o que julgam; não se aproveita do erro alheio para uma afirmação pessoal. Se houvesse dito: «Eu sou o Messias», facilmente teriam acreditado na sua palavra, pois já o tinham como tal antes de ele o haver dito. Mas não disse, antes reconheceu o que era e disse o que não era: foi humilde. Compreendeu donde lhe vinha a salvação; compreendeu que não era mais que uma tocha ardente e luminosa, e receou que o vento da soberba pudesse apagá-la.




Comentários no Facebook:

comments