Se olharmos superficialmente o nosso mundo, ficaremos impressionados com muitos factos negativos, que podem conduzir-nos ao pessimismo. Mas esse sentimento é injustificado, pois temos fé em Deus, Pai e Senhor, na sua bondade e na sua misericórdia. À medida que nos aproximamos do terceiro milénio da Redenção, Deus vai preparando para o cristianismo uma grande Primavera que já se vê despontar. Na verdade, seja no mundo não cristão, seja no mundo da cristandade antiga, os povos têm tendência para se aproximar progressivamente dos ideais e dos valores evangélicos, tendência essa que a Igreja se esforça por favorecer. Manifesta-se hoje entre os povos uma nova convergência em torno desses valores: a recusa da violência e da guerra, o respeito pela pessoa humana e pelos seus direitos, a sede de liberdade, de justiça e de fraternidade, a tendência a ultrapassar os racismos e os nacionalismos, a afirmação da dignidade da mulher e a sua valorização.

A esperança cristã dá-nos forças para nos comprometermos a fundo na nova evangelização e na missão universal e leva-nos a rezar como Jesus nos ensinou: «Venha a nós o vosso Reino, seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu» (Mt 6,10).

Os homens que esperam Cristo são ainda em número incalculável; os espaços humanos e culturais ainda não atingidos pelo anúncio do Evangelho ou em que a Igreja não está presente são extremamente vastos, a ponto de exigirem a união de todas as suas forças. Quando se prepara para celebrar o Jubileu do ano 2000, toda a Igreja está ainda mais comprometida num novo advento missionário. Devemos alimentar em nós a paixão apostólica de transmitir aos outros a luz e a alegria da fé, e formar todo o povo de Deus para este ideal.




Comentários no Facebook:

comments