«Quem tem apego à sua vida, perdê-la-á; quem despreza a sua vida neste mundo, conservá-la-á para a vida eterna» (Jo 12, 25). Acabámos de escutar estas palavras de Cristo. Trata-se de uma verdade que, não raro, o mundo contemporâneo rejeita e despreza, fazendo do amor a si mesmo o supremo critério da existência. Todavia, as Testemunhas da Fé, que nesta tarde nos falam com o seu exemplo, não consideraram o seu interesse pessoal, o seu bem-estar ou a sua sobrevivência como valores superiores ao da fidelidade ao Evangelho. Apesar da sua debilidade, opuseram uma estrénua resistência ao mal. Na sua fragilidade, resplandeceu a força da fé e da graça do Senhor.

A herança preciosa que estas testemunhas corajosas nos transmitiram constitui um património comum de todas as Igrejas e de cada comunidade eclesial. Trata-se de uma herança que fala com uma voz mais alta que os factores de divisão. O ecumenismo dos mártires e das Testemunhas da Fé é o mais convincente, pois indica aos cristãos do século XXI a via para a unidade. É a herança da Cruz vivida à luz da Páscoa: herança que enriquece e sustenta os cristãos que iniciam o novo milénio.

Que a memória destes nossos irmãos e irmãs sobreviva no século e no milénio que se iniciam. Aliás, cresça! Seja transmitida de geração em geração, para que dela germine uma profunda renovação cristã! Seja conservada como um tesouro de valor excelso para os cristãos do novo milénio e constitua o fermento para a obtenção da plena comunhão entre todos os discípulos de Cristo!

É com ânimo repleto de íntima comoção que exprimo estes votos. Rezo ao Senhor para que a plêiade de testemunhas que nos circunda ajude todos nós, crentes, a expressar com igual denodo o nosso amor a Cristo, Àquele que está sempre vivo na sua Igreja: assim como ontem, também hoje, amanhã e para sempre!




Comentários no Facebook:

comments