«Eis o Cordeiro de Deus», diz João Baptista. Jesus não fala: é João, o Percursor, quem diz tudo. Também entre nós aquele que se casa tem por costume agir assim: não diz nada à noiva, mas apresenta-se e mantém-se em silêncio. Há outros que o anunciam e o apresentam à esposa; quando ela aparece, não é o esposo que a toma, mas recebe-a das mãos de outro. Mas, depois de a ter recebido de outro, liga-se-lhe de tal modo, que ela já não se lembra daqueles que deixou para o seguir. Foi o que se passou com Jesus Cristo: Ele veio desposar a natureza humana, mas nada disse de Si mesmo: apresentou-Se apenas. Foi João, o amigo do Esposo (cf Jo 3,29), que colocou na Sua mão a mão da Esposa — por outras palavras, o coração dos homens, a quem persuadiu através da pregação. Então, Jesus Cristo recebeu-os e cumulou-os de tantos bens, que nunca mais voltaram para aquele que os tinha enviado. […]

João é o único a apresentá-Lo ao povo; uma vez que só ele estava presente nas núpcias com a Igreja, recebeu o título de «amigo do Esposo». Foi ele, na verdade, quem tudo fez; olhando para o Messias que passava, disse: «Eis o Cordeiro de Deus.» Mostrou assim que não era apenas com a voz, mas também com os olhos, que dava testemunho dele. João admirou o Filho de Deus e, ao contemplá-Lo, o seu coração vibrou de alegria. A princípio, não abriu a boca para pregar a respeito dele; limitou-se a admirá-Lo, espantado. Assim deu a conhecer o dom que Jesus trouxe ao mundo, de acordo com o sentido da palavra «cordeiro». João não disse: «tirará» ou «tirou» mas «É Aquele que tira o pecado do mundo»: não o faz apenas no momento da sua Paixão, mas sempre. Ofereceu-Se uma vez em sacrifício pelos pecados do mundo mas, através dessa oblação, purifica para sempre a consciência dos homens pecadores.




Comentários no Facebook:

comments