O filho mais velho, furioso, disse ao pai: «Há tantos anos que te sirvo, sem nunca transgredir uma ordem tua, e […] quando regressa esse pródigo, dás-lhe mais importância do que a mim.»

Ao ouvir o filho falar assim, o pai respondeu-lhe com doçura: «Escuta o teu pai: tu estás comigo, porque nunca te afastaste de mim; não te separaste da Igreja; estás sempre presente a meu lado, com todos os meus anjos. Mas este regressou coberto de vergonha, nu e sem beleza, gritando: “Tem piedade! Pequei, Pai, e é como culpado que venho suplicar-te: aceita-me como um trabalhador da terra e dá-me alimento, porque Tu amas os homens, Tu que és o Senhor de todos os tempos” (Sab 1,6; 1Tim 1,17).»

«O teu irmão gritou: “Salva-me, Pai santo!” […] Como podia Eu deixar de ter piedade, deixar de salvar este meu filho, que gemia e soluçava? […] Julga-Me, tu que me criticas. […] A minha alegria eterna consiste em amar os homens. […] Ele é uma criatura minha: como posso deixar de ter piedade dele? Como posso deixar de ter compaixão do seu arrependimento? As minhas entranhas geraram este filho de quem tenho piedade, Eu, que sou o Senhor de todos os tempos.»     

«Tudo o que eu tenho é teu, meu filho. […] A tua fortuna não fica diminuída, porque não é dela que tiro para dar presentes a teu irmão. […] Eu sou o único Criador de vós dois, o Pai único, bom, amoroso e misericordioso. Cubro-te de honras, meu filho, porque sempre Me amaste e serviste; dele, tenho compaixão, porque se mostra arrependido. Devias, pois, partilhar a alegria de todos os que convidei, Eu, que sou o Senhor de todos os tempos.»

«Assim pois, meu filho, alegra-te com os convidados ao banquete e mistura os teus cantos aos dos anjos, porque o teu irmão estava perdido e foi encontrado, estava morto e, contra todas as expectativas, ressuscitou.»

A estas palavras, o filho mais velho deixou-se convencer e cantou: «Gritai de alegria! “Felizes aqueles a quem foi perdoado todo o pecado e apagadas as faltas” (Sl 131,1). Eu Te louvo, ó Amigo dos homens, a Ti, que salvaste o meu irmão, a Ti, que és o Senhor de todos os tempos!»




Comentários no Facebook:

comments