Como é lógico, é o evangelista João quem introduz João Baptista no seu discurso sobre Deus, «o abismo que atrai o abismo» à voz dos mistérios divinos (Sl 41, 8): o evangelista conta a história do precursor. Aquele que recebeu a graça de conhecer o Verbo no princípio (Jo 1, 1) dá-nos uma lição acerca daquele que recebeu a graça de vir à frente do Verbo encarnado. […] Ele não diz simplesmente que houve um enviado de Deus, mas que houve «um homem». Fala assim para distinguir o precursor, que apenas participa da humanidade, daquele Homem que, unindo estreitamente em Si a divindade e a humanidade, veio em seguida; para separar o voz que passa e o Verbo que permanece para sempre de maneira imutável; para sugerir que um é a estrela da manhã que aparece na aurora do Reino dos Céus e declarar que o Outro é o Sol da Justiça que lhe sucedeu (Ml 3, 20). João distingue a testemunha daquele que o envia, a lâmpada vacilante da luz esplêndida que enche o universo (cf Jo 5, 35) e que, para todo o género humano, dissipa as trevas da morte e do pecado. […]

Um homem foi enviado. Por quem? Pelo Deus Verbo que o precedeu. A sua missão era ser precursor. É num grito que ele envia a Palavra à sua frente: «no deserto, uma voz grita» (Mt 3, 3). O mensageiro prepara a vinda do Senhor. «O seu nome era João» (Jo 1, 6): foi-lhe dada a graça de ser o precursor do Rei dos reis, o revelador do Verbo desconhecido, o que baptiza em ordem ao nascimento espiritual, a testemunha da luz eterna, pela sua palavra e pelo seu martírio.




Comentários no Facebook:

comments