A mãe de João Baptista é uma mulher velha e estéril; a de Cristo, uma jovem no auge da sua juventude. João é fruto da esterilidade; Cristo, da virgindade. […] Um é anunciado pela mensagem de um anjo; ao anúncio do anjo, o outro é concebido. O pai de João não acredita na notícia do seu nascimento e emudece; a Mãe de Cristo acredita em seu filho e, pela fé, concebe-O no seu seio. O coração da Virgem acolhe a fé; depois, tornando-se mãe, Maria recebe um fruto no seu ventre.

As palavras que Maria e Zacarias dirigem ao anjo são, contudo, mais ou menos semelhantes. Quando o anjo lhe anuncia o nascimento de João, o sacerdote responde: «Como hei-de saber que é assim, se eu sou velho e a minha esposa de idade avançada?» Ao anúncio do anjo, Maria responde: «Como será isso, se eu não conheço homem?» Sim, são quase as mesmas palavras. […] Contudo, o primeiro é repreendido e a segunda é esclarecida. A Zacarias é dito: «Por não teres acreditado»; a Maria: «Eis a resposta que pediste.» Mais uma vez, são quase as mesmas palavras. […] Mas Aquele que ouvia as palavras também via os corações, pois nada Lhe está oculto. A linguagem de cada um velava o seu pensamento; mas, se esse pensamento estava oculto para os homens, não o estava para o anjo, ou melhor, para Aquele que falava por intermédio do anjo.




Comentários no Facebook:

comments