Eu Te dou graças, porque me concedeste a vida,
e conhecer-Te e adorar-Te, meu Deus.
Porque «a vida, é conhecer-te, a Ti, único Deus verdadeiro» (Jo 17,3),
Criador e Autor de tudo,
não gerado, não criado, sem princípio, único,
e teu Filho, gerado de Ti,
e o Espírito santíssimo, procedente de Ti,
a trina unidade digna de todo o louvor. […]

O que há nos anjos, nos arcanjos,
nas dominações, nos querubins e nos serafins
e em todos os outros exércitos celestes,
como glória ou como luz de imortalidade,
que alegria, que esplendor de vida imaterial,
senão a única luz da Santíssima Trindade? […]

Pensa num ser incorporal ou corpóreo,
e encontrarás que foi Deus que tudo fez.
Se te falam de um ser qualquer, os do céu,
os da terra ou os dos abismos,
para esses também, para todos,
não há senão uma única vida, uma glória,
um desejo e um reino
uma única riqueza, alegria, coroa, vitória, paz,
ou qualquer outro brilho; e consiste nisto:
no conhecimento do Princípio e da Causa
de onde tudo veio, onde tudo teve a sua origem.
Aí está quem mantém as coisas nas alturas e as coisas daqui de baixo,
Aí está quem põe ordem em todos os seres espirituais,
Aí está quem reina sobre todos os seres visíveis. […]

Eles cresceram em conhecimento e redobraram o temor
ao verem Satanás cair
e os seus companheiros arrebatados pela presunção.
Os que caíram esqueceram tudo isso,
escravos do seu orgulho;
enquanto todos os que conservaram o conhecimento,
elevados pelo temor e pelo amor,
se uniram ao seu Senhor.
Assim, o reconhecimento do senhorio
produziu também o crescimento do seu amor
porque viram melhor e mais claramente
o brilho fulgurante da Trindade.




Comentários no Facebook:

comments