Tende entre vós os mesmos sentimentos que estão em Cristo Jesus: Ele, que é de condição divina», igual a Deus por natureza uma vez que partilha do seu poder, da sua eternidade e do seu próprio ser […], cumpriu o ofício de servo, rebaixando-Se e «tornando-Se obediente até à morte e morte de cruz» (Fil 2,5-8). Poder-se-ia considerar de somenos que, sendo seu Filho e seu igual, Ele tivesse servido o Pai como um servo; mas Ele foi ainda mais longe e serviu o seu próprio servo […]. Porque o homem tinha sido criado para servir o seu criador e é de toda a justiça que sirva Aquele que o criou, sem o qual não existiria. E não pode conhecer maior felicidade que servi-Lo, uma vez que servi-Lo é reinar. Mas o homem disse ao seu Criador: «Não servirei!» (Jr 2,20).

«Pois bem, servir-te-ei Eu!», respondeu o Criador ao homem. «Senta-te à mesa; farei eu o serviço: lavar-te-ei os pés. Descansa; tomarei os teus males sobre os meus ombros; carregarei com todas as tuas fraquezas. […] Se estiveres fatigado ou sobrecarregado, levar-te-ei, a ti e à tua carga, a fim de ser o primeiro a cumprir a minha lei: “Levai os fardos uns dos outros” (Gal 6,2). […] Se tiveres fome ou sede […], eis-Me pronto a ser imolado, para que possas comer a minha carne e beber o meu sangue. […] Se te levarem para o cativeiro ou te venderem, eis-Me aqui […]; resgato-te pelo preço que derem por Mim. […] Se estiveres doente, se receares a morte, morrerei em vez de ti para que do meu sangue faças remédio para a vida.» […]

Ó meu Senhor, por que preço resgataste o meu serviço inútil! […] Com que arte plena de amor, de doçura e de benevolência recuperaste e submeteste este servo rebelde, triunfando do mal pelo bem, confundindo o meu orgulho com a tua humildade, cumulando o ingrato com os teus benefícios! Eis o triunfo da tua sabedoria!




Comentários no Facebook:

comments