Antes de surgir a verdadeira luz, antes do nascimento de Cristo, a noite envolvia o mundo por completo; assim também a noite reinava em cada um de nós antes da nossa conversão e regeneração interior. Aquela era a mais profunda das noites, e as trevas mais espessas à face da terra, no tempo em que os nossos pais honravam falsos deuses. […] E houve depois em nós outra noite tenebrosa, nesse período em que sem Deus vivíamos neste mundo, apenas guiados pelas nossas paixões e por atracções mundanas, fazendo coisas que hoje nos fazem corar, por serem também obras das trevas. […]

Mas agora saístes do vosso sono, santificastes-vos, tornastes-vos filhos da luz, filhos do dia, e já não sois das trevas nem da noite (1Tess 5,5) […] «Amanhã vereis a majestade de Deus em vós.» Hoje, por nós, o Filho fez-Se justiça vinda de Deus; amanhã, manifestar-Se-á como vida nossa, para que nos pareçamos com Ele na glória. Hoje nasceu-nos um Menino, para nos impedir de viver na vã glória, e para que, ao converter-nos, sejamos humildes como crianças (Mt 18,3). Amanhã Ele mostrar-Se-á na sua grandeza para nos incitar ao louvor e para que possamos, também nós, ser glorificados e louvados, quando a cada um Deus conceder a sua glória […] «Seremos semelhantes a Ele, porque O veremos tal como Ele é» (1Jo 3,2). Hoje, com efeito, não O vemos em Si mesmo, mas como num espelho (1Cor 13,12); hoje, Ele recebe aquilo que, dependendo de nós, Lhe damos. Mas amanhã vê-Lo-emos em nós, quando Ele nos der o que depende dele, quando Se mostrar tal como é em Si mesmo, e nos tomar para nos elevar até Si.




Comentários no Facebook:

comments