«Eis que vou enviar grande número de pescadores que os pescarão, oráculo do Senhor» (Jer 16,16). Assim nos indica Deus o nosso grande trabalho: pescar. Falando ou escrevendo, às vezes compara-se o mundo com o mar. E há muita verdade nessa comparação. Na vida humana, tal como no mar, há períodos de calma e períodos de borrasca, de tranquilidade e de forte ventania. Muitas vezes, os homens nadam em águas amargas, no meio de grandes vagas; caminham no meio de tormentas; viajam cheios de tristeza, mesmo quando parece que têm alegria, mesmo quando falam ruidosamente: gargalhadas que pretendem encobrir o seu desalento, o seu desgosto, a sua vida sem caridade nem compreensão. E devoram-se uns aos outros, tanto os homens como os peixes…

É missão dos filhos de Deus conseguir que todos os homens entrem – com liberdade – dentro da rede divina, para que se amem. Se somos cristãos, temos de converter-nos nos pescadores de que fala o profeta Jeremias. Jesus Cristo também utilizou repetidamente essa metáfora: «Segui-Me e Eu vos farei pescadores de homens», diz a Pedro e a André.

Acompanhemos Jesus nesta pesca divina. Jesus está junto do lago de Genesaré e as pessoas «comprimem-se à sua volta, ansiosas por ouvirem a palavra de Deus» (Lc 5,1). Tal como hoje! Não estais a ver?




Comentários no Facebook:

comments