Cristo chamou os seus discípulos e escolheu doze, para os enviar por todo o mundo, como semeadores da fé, a propagar a salvação aos homens. Reparai bem neste plano divino: não foram sábios, nem homens ricos, nem nobres, mas pecadores e publicanos os que Ele escolheu enviar, não fossem dar a impressão de que tinham sido movidos pelas suas capacidades, escolhidos pelas suas riquezas, chamados devido ao seu prestígio, ao seu poder ou à sua notoriedade. Procedeu assim para que a vitória tivesse origem no fundamento da verdade, e não no prestígio do discurso.

Também Judas foi escolhido, não por insensatez, mas com conhecimento de causa. Que grandeza a desta verdade, que nem um servo inimigo é capaz de enfraquecer! E que grandeza de carácter a do Senhor, que prefere comprometer, a nossos olhos, a sua capacidade de ajuizar, a pôr em causa a sua capacidade de amar! Ele tomou sobre Si a fraqueza humana, e nem deste aspeto da mesma fraqueza Se esqueceu! Quis o abandono, quis a traição, quis ser entregue pelo seu apóstolo, para que também tu, abandonado por um companheiro, atraiçoado por um companheiro, aceites tranquilamente esse erro de avaliação, essa delapidação da tua bondade.




Comentários no Facebook:

comments