É preciso calcular a força com que o amor tinha abrasado a alma desta mulher, que não se afastava do túmulo do Senhor, mesmo quando os discípulos o tinham abandonado. Ela procurava Aquele que não encontrava, chorava procurando-O e, abrasada pelo fogo do seu amor, ardia de desejo por Aquele que julgava ter sido roubado. Por isso, foi a única a vê-Lo, ela que tinha ido procurá-Lo, porque a eficácia de uma boa obra leva à perseverança e a Verdade diz: «Aquele que tiver perseverado até ao fim será salvo» (Mt 10,22). […]

Porque a espera faz crescer os desejos santos; se os faz decair, é porque não eram verdadeiros desejos. Foi com um amor semelhante que arderam todos os que puderam atingir a verdade. É por isso que David diz: «A minha alma tem sede do Deus vivo: quando me encontrarei diante da face de Deus?» (Sl 41,3) E a Igreja diz também, no Cântico dos Cânticos: «Estou ferida de amor» e, mais à frente: «A minha alma desfaleceu» (Ct 2,5). «Mulher, porque choras? A quem procuras?» Perguntam-lhe o motivo da sua dor, para que o desejo aumente, para que, nomeando Aquele que procura, ela torne mais ardente o seu amor por Ele.      

«Disse-lhe Jesus: ‘Maria’». Após a palavra banal de «mulher», Ele chama-a pelo nome. Era como se dissesse: «Reconhece Aquele que te conhece. Não te conheço de uma maneira geral, como uma entre outras; conheço-te de um modo pessoal.» Chamada pelo nome, Maria reconhece o seu Criador e chama-Lhe imediatamente: «’Rabuni!’, que quer dizer: ‘Mestre!’», porque Aquele que procurava exteriormente era o mesmo que lhe ensinara interiormente a procurá-Lo.      




Comentários no Facebook:

comments