A invocação de Deus como Pai é conhecida em muitas religiões. A divindade é muitas vezes considerada pai dos deuses e dos homens. Em Israel, porém, Deus é chamado Pai enquanto Criador do mundo. Mais ainda, Deus é Pai em razão da Aliança e do dom da Lei a Israel, que é o seu «filho primogénito» (Ex 4,22). E é também chamado Pai do Rei de Israel. Ele é muito especialmente o Pai dos pobres, do órfão e da viúva que estão sob a sua protecção amorosa.

Jesus revelou que Deus é Pai num sentido inaudito: não o é somente enquanto Criador, mas é eternamente Pai em relação a seu Filho único, que só é eternamente Filho em relação a seu Pai: «Ninguém conhece o Filho senão o Pai, e ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar» (Mt 11,27).

É por isso que os apóstolos confessam Jesus como «o Verbo» que «no início estava junto de Deus» e que «é Deus» (Jo 1,1), como «a imagem do Deus invisível» (Col 1,15), como «o resplendor da sua glória e a expressão do seu ser» (Heb 1,3).

Na esteira deles, seguindo a Tradição apostólica, a Igreja, no ano de 325, no primeiro concílio ecuménico de Niceia, confessou que o Filho é «consubstancial» ao Pai, isto é, que é um só Deus com Ele. O segundo concílio ecuménico, reunido em Constantinopla em 381, conservou esta expressão na sua formulação do Credo de Niceia e confessou «o Filho Único de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos, luz de luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai».




Comentários no Facebook:

comments