Este tempo do Advento representa as duas vindas do Senhor; em primeiro lugar, a dulcíssima vinda do «mais belo dos filhos dos homens» (Sl 45,3), do «Desejado de todos os povos» (Ag 2,8 [Vulgata]), do Filho de Deus que manifestou visivelmente ao mundo, na carne, a sua presença há muito esperada e desejada ardentemente por todos os Patriarcas — a vinda que O trouxe a este mundo para salvar os pecadores. Mas este tempo relembra-nos também a vinda que aguardamos com uma esperança firme e da qual devemos todos os dias recordar-nos com lágrimas: aquela que terá lugar quando o próprio Senhor Se manifestar na sua glória, ou seja, no dia do Juízo, quando ele Se manifestar para julgar. A sua primeira vinda foi conhecida por muito poucos homens; na segunda, Ele manifestar-Se-á aos justos e aos pecadores, como anuncia o profeta: «E todos verão a salvação de Deus» (Is 40,5; Lc 3,6). […]

Assim, irmãos caríssimos, sigamos o exemplo dos Patriarcas, reavivando o desejo que eles tiveram e inflamando as nossas almas com o amor e o anseio por Cristo. Bem sabeis que a celebração deste tempo foi instituída para renovar em nós este desejo que os antigos tinham pela vinda do Senhor e para que, seguindo o seu exemplo, possamos nós também suspirar pelo seu regresso. Consideremos todo o bem que o Senhor nos alcançou com a sua primeira vinda — quanto maiores bens nos alcançará Ele quando regressar! Com este pensamento, teremos ainda maior estima pela sua vinda passada e um maior desejo do seu regresso! […]

Se queremos conhecer a paz quando Ele vier, esforcemo-nos por acolher com fé e amor a sua vinda passada, permanecendo fielmente nas obras que então nos manifestou e nos ensinou; nutramo-nos, de coração, do amor de Cristo e, por ele, do seu desejo, para que, logo que chegue o Senhor, o Desejado de todos os povos, possamos levantar os olhos para Ele com toda a confiança.




Comentários no Facebook:

comments