«Eu sou o bom pastor». Cristo pode dizer com propriedade «Eu sou», já que para Ele nada pertence ao passado nem ao futuro: tudo nele é presente. Como afirma de Si mesmo no Apocalipse: «Eu sou o Alfa e o Ómega, Aquele que é, que era e que há-de vir, o Todo-Poderoso» (Ap 1,8); e no Êxodo: «Eu sou Aquele que sou. Assim dirás aos filhos de Israel: “‘Eu sou’ enviou-me a vós”» (Ex 3,14).

«Eu sou o bom pastor». A palavra «pastor» vem do termo «pastar». Cristo serve-nos diariamente, no sacramento do altar, o repasto da sua carne e do seu sangue. Jessé, pai de David, disse a Samuel: «Resta ainda o [filho] mais novo, que anda a apascentar as ovelhas» (1Sam 16, 11). Também o nosso David, pequeno e humilde, apascenta as suas ovelhas como bom pastor. […]

Lemos ainda em Isaías: «É como um pastor que apascenta o rebanho […], leva os cordeiros ao colo e faz repousar as ovelhas que têm crias» (Is 40,11). […] Com efeito, ao conduzir o seu rebanho à pastagem, ou no regresso, o bom pastor reúne os cordeirinhos que ainda não conseguem andar, toma-os nos braços e leva-os junto ao peito; leva também as ovelhas que vão dar à luz e as que acabaram de ter as crias. Assim também Jesus Cristo: dia após dia, Ele alimenta-nos com os ensinamentos do evangelho e os sacramentos da Igreja; reúne-nos nos seus braços, estendidos sobre a cruz, «para congregar na unidade os filhos de Deus que estavam dispersos» (Jo 11,52); e aconchega-nos no seio da sua misericórdia, como uma mãe aconchega o seu filho.




Comentários no Facebook:

comments